Home / Destaques / Agência aprova relicitação da BR-163 em Mato Grosso do Sul

Agência aprova relicitação da BR-163 em Mato Grosso do Sul

Como não há perspectiva de que CCR MSVia cumpra o contrato, ANTT entendeu que relicitação é necessária

BR-163 não foi duplicada como deveria – Álvaro Rezende

A Diretoria Colegiada da ANTT (Agência Nacional de Transporte Terrestres) aprovou na tarde desta terça-feira (21) o processo de relicitação da concessão da BR-163, mesmo com a CCR MSVia não cumprindo o contrato assinado em 2014.

Os diretores consideraram que a relicitação é necessária porque não há perspectiva de recuperação das condições necessárias para a empresa restabelecer a duplicação da pista e outras obras interrompidas em 2017.

Agora, o processo será encaminhado ao Ministro da Infraestrutura, Tarcisio Gomes, e depois para o Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), vinculado à Presidência da República, que também precisa aprovar o processo para que seja efetivado e assinado novo contrato com novas regras.

Só que o conselho não tem uma data específica para suas reuniões, que ocorrem conforme a demanda de projetos que estão no órgão. Este conselho avalia e recomenda ao presidente da República, Jair Bolsonaro, os projetos que integrarão o PPI, decidindo, ainda, sobre temas relacionados à execução dos contratos de parcerias e desestatizações.

O diretor Davi Barreto, que foi relator do processo, afirmou que votou pela aprovação porque a concessionária manteve o compromisso de manter “as frentes de recuperação e não reduzir as exigências de atendimento médico” na rodovia, reconhecendo que o “elevado descumprimento” do contrato e com a oferta de “serviços inadequados e ineficientes, sem perspectiva de recuperação” em virtude do deságio das tarifas, associado a queda da receita “justificam a relicitação”.

Os diretores seguiram pareceres de áreas técnicas do órgão que recomendavam a relicitação por oferecer menos prejuízos aos usuários, mesmo com a CCR MSVia tendo interrompido há mais de dois anos as obras na rodovia.

A concessionária deveria ter concluída a duplicação de 806 quilômetros da BR-163 até o ano passado. Mas no período, empresa duplicou apenas cerca de 150 quilômetros, o que corresponde a 18% do previsto no contrato. De acordo com a própria  CCR, desde 2014 foram investidos R$ 1,9 bilhão na rodovia, mas que a queda na receita por causada crise econômica e suspensão da liberação de empréstimo inviabilizou novos investimentos. Só que no mesmo período, a MSVia teve lucro superior a R$ 1 bilhão.

PEDIDO

No pedido de relicitação, a  empresa solicita ampliação do prazo de recuperação, de cinco para 10 anos, da pista já existente e pede a manutenção das tarifas de pedágio atuais, sem a redução média de 53,94%, que deveria estar em vigor desde 30 de novembro, mas foi suspensa judicialmente. A MSVia “propõe a manutenção da tarifa atualmente praticada apenas com a aplicação da correção inflacionária anual pelo IPCA”.

A concessionária afirma que a crise econômica reduziu o fluxo de veículos e o tráfego ficou muito abaixo do projetado. O mesmo argumento é usado para sugerir que “as etapas de recuperação da BR-163/MS sejam readequadas em um horizonte de até dez anos, priorizando-se a atuação nos segmentos que apresentem os piores parâmetros de desempenho”, sugerindo que a restauração do pavimento seja em 300 km dos 847 km da rodovia.

O atual contrato será mantido, bem como o valor da tarifa cobrada nas nove praças de pedágio até o final do processo de relicitação, a não ser que o Poder Judiciário suspenda a liminar que obrigou a ANTT a suspender a redução aplicada no ano passado.

 

fonte: correiodoestado
Espalhe por ai:

Veja Também

Comércio ficará aberto até mais tarde a partir do dia 5 de dezembro

Horário será ampliado devido ao período de fim de ano, que costuma ser de maior ...

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.