Após anos de espera, Prefeitura entrega casas no Bom Retiro

No total, já foram entregues 133 casas na comunidade, restando apenas 3 habitações em processo de finalização

Prefeitura de Campo Grande entrega 10 casas no Bom Retiro – Reprodução/PMCG

 

A Prefeitura de Campo Grande entregou nesta segunda-feira (19), mais 10 moradias populares no Bom Retiro, localizada na Região Urbana do Segredo.

Das 136 unidades habitacionais previstas para o local, apenas três estão em processo de finalização.

Emocionado, o morador William dos Santos relatou não conseguir explicar o alívio com a conquista da casa própria.

“Hoje eu recebo a chave da minha casa. Aqui vai morar eu, minha esposa e meus três filhos. É algo sem palavras, não tenho o que dizer, me sinto muito feliz, muito honrado. É o sonho sendo realizado”, exclamou.

Mãe solo de cinco filhos, Letícia Guimarães de Oliveira comemorou a chegada do novo lar.

“Algo que desejo há muito tempo. Já são 4 anos de espera aqui no barraco e graças a Deus minha casa está concluída. Eu tenho cinco filhos e essa moradia é o sonho da minha família. Quero agradecer primeiramente a Deus por tudo que estamos recebendo neste dia”, afirmou.

Construídas pela modalidade Credihabita, o programa criado pela Agência de Habitação e Assuntos Fundiários (Amhasf) para aquisição de materiais de construção e contratação de assistência técnica para habitação de interesse social (ATHIS), contempla antigos moradores da Favela de Deus.

Os moradores ainda participaram do programa Ação Casa Pronta – iniciativa da Amhasf e Fundação Social do Trabalho de Campo Grande (Funsat), em parceria com o Governo do Estado, onde foram capacitados para construírem suas próprias casas, além de garantirem um novo ofício no ramo da construção civil.

Conforme a diretora-presidente da Amhasf, Maria Helena Bughi, apesar dos desafios enfrentados neste momento de pandemia, a pasta tem buscado recursos cursos para viabilizar mais moradias à população.

“Nós temos muito orgulho de estarmos cumprindo o que foi prometido à população: moradia digna – após tanto sofrimento enfrentado na mudança da Cidade de Deus para cá. Gradualmente, estamos finalizando nosso objetivo, que é entregar 100% das casas previstas aqui”, disse Bughi.

Histórico

Em Campo Grande, famílias da antiga favela Cidade de Deus, desapropriada na gestão do prefeito Alcides Bernal (PP), estão há cinco anos em barracos improvisados à espera de unidades habitacionais que nunca foram entregues.

Em 2016, ainda na gestão de Bernal, os moradores da antiga comunidade foram encaminhados para quatro áreas de reassentamento nos bairros Vespasiano Martins, Jardim Canguru, Pedro Teruel (ao lado do Dom Antônio Barbosa) e Loteamento Bom Retiro (atrás da Vila Nasser).

Na prática, o antigo prefeito conseguiu transformar uma favela em quatro.

Na época, a Organização Não Governamental (Ong) Morhar foi contratada pela Prefeitura de Campo Grande para construir casas populares para os moradores do entorno do aterro sanitário.

O convênio de R$ 3,6 milhões (desse total, R$ 2,7 milhões foram efetivamente pagos à entidade) entregou apenas 42 das 328 moradias prometidas por Bernal, o que resultou em investigação do Ministério Público de Mato Grosso do Sul (MPMS).

Retomada

A Prefeitura de Campo Grande e o governo do Estado de Mato Grosso do Sul assinaram em junho de 2020 a contratação de uma empresa para a finalização das unidades habitacionais de famílias da antiga Cidade de Deus.

O convênio foi realizado para a conclusão de 150 casas com um investimento de R$ 7,8 milhões para 52 unidades habitacionais no Jardim Canguru e 98 no Loteamento Pedro Teruel.

Foram investidos R$ 2,5 milhões do Estado e R$ 5,3 milhões do município para a retomada das obras, que foram iniciadas, mas não finalizadas.

fonte: correiodoestado
Espalhe por ai:

Veja Também

Governo amplia vagas e destina R$ 3,8 milhões para atletas e técnicos de MS

Número de vagas aumentou 45%, de acordo com publicação no Diário Oficial desta quinta-feira   ...

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.