Home / Destaques / Após dois meses e meio sem vítimas, dengue volta a matar em Mato Grosso do Sul

Após dois meses e meio sem vítimas, dengue volta a matar em Mato Grosso do Sul

Secretaria de Saúde confirmou três novas mortes pela doença; Estado soma 42 mortes no ano

 

Aedes aegypti é o transmissor da dengue – Foto: Arquivo

Depois de dois meses e meio sem registrar mortes, a dengue voltou a fazer vítimas em Mato Grosso do Sul.

De acordo com boletim epidemiológico divulgado nesta quinta-feira (27), foram confirmados três novos óbitos no Estado, que soma 42 mortes no ano. Desde o dia 11 de junho não havia mortes pela doença.

Uma das vítimas é um homem de 72 anos, morador de Itaporã, que sofria de doença renal crônica e morreu no dia 5 de junho, mas houve a comunicação tardia à Secretaria Estadual de Saúde.

Em Miranda, a dengue vitimou uma mulher de 68 anos, que tinha como comorbidade hepatopatias e tabagismo; e em Anastácio vítima era mulher de 58 anos, com obesidade, cardiopatia crônica e tabagismo.

Outras 39 mortes registradas no ano ocorreram em Campo Grande (7), Corumbá (4), Dourados (3), Naviraí (3), Chapadão do Sul (2), Ponta Porã (2), Caarapó (2), Mundo Novo (2) e Sete Quedas, Itaquiraí, Laguna Carapã, Ivinhema, Nova Andradina, Sidrolândia, Bodoquena, Aquidauana, São Gabriel do Oeste, Itaporã, Pedro Gomes, Costa Rica, Cassilândia e Paranaíba.

Em todo o ano passado, 29 pessoas morreram de dengue em Mato Grosso do Sul, sendo que em oito meses deste ano mortes já são 41% maiores.

De janeiro até esta quinta-feira (27) foram notificados 68.029 casos suspeitos de dengue no Estado.

Taxa de incidência de dengue é de 2.448,0, o que o mantém o Estado em segundo lugar no ranking de estados com maior incidência da doença no País.

É considerada alta incidência quando há mais de 300 casos para cada 100 mil habitantes. Todos os 79 municípios do Estado se enquadram nesta definição.

Dengue

Dengue é uma doença febril aguda, transmitida pelo mosquito Aedes aegypti.

Segundo a Secretaria Estadual de Saúde (SES), enquanto a maioria dos pacientes se recupera após evolução clínica leve e autolimitada, uma pequena parte progride para doença grave. Fatores de risco individuais determinam a gravidade da doença e incluem idade, comorbidades (doenças pré-existentes) e infecções secundárias.

Principal forma de prevenção é evitar água parada em qualquer local em que ela possa acumular, que são locais de criadouro do mosquito, que também transmite zika e chikungunya.

 

fonte: correiodoestado
Espalhe por ai:

Veja Também

Comércio ficará aberto até mais tarde a partir do dia 5 de dezembro

Horário será ampliado devido ao período de fim de ano, que costuma ser de maior ...

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.