Home / Destaques / Atraso na colheita da soja pode prejudicar o milho safrinha no Estado

Atraso na colheita da soja pode prejudicar o milho safrinha no Estado

Setor produtivo está em alerta com a possibilidade de perder a melhor janela para a semeadura, que vai até 10 de março

A colheita da soja deve acelerar na próxima semana

 

 

A área colhida de soja safra 2020/2021 avançou 1,5%. De acordo com a estimativa do Sistema de Informação Geográfica do Agronegócio (Siga-MS), foram 54.675 hectares colhidos, atraso de 8,8% no comparativo com o mesmo período do ano passado.

Segundo o setor produtivo, com o atraso da primeira safra, a semeadura do milho safrinha também não avança.

Para o presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho de MS (Aprosoja-MS), André Dobashi, o excesso de umidade e o avanço de doenças de fim de ciclo têm preocupado o setor.

“Essa safra está bastante apreensiva para nós produtores. É uma safra que começou bastante seca, o produtor conseguiu recuperar o tempo na semeadura e colocou a safra bem posicionada ao longo dos meses de outubro e novembro.

O mês de janeiro foi marcado por precipitações muito acima da média, com algumas regiões registrando 500 milímetros de chuva ao longo do mês, o que fez com que o ciclo da soja se alongasse bastante: a gente percebe muita soja que já era para estar com o ciclo definido e ainda está em formação, o que atrasou bastante a previsão de colheita do produtor. Estamos entrando no fim do segundo decêndio de fevereiro e não vemos mais que 1,5% colhido”, explica o presidente.

Dobashi ainda aponta que o produtor está apreensivo com o avanço de algumas doenças de fim de safra.

“[O excesso de chuvas] fez com que essas doenças de fim de ciclo evoluíssem nas lavouras. As ferrugens a gente não observou muito no campo, mas houve avanço em outras doenças de fim de ciclo, que foram favorecidas nesse período de alta umidade”, aponta.

De acordo com o boletim Casa Rural, elaborado pela Federação da Agricultura e Pecuária de MS (Sistema Famasul), “muitos produtores iniciaram a colheita a partir do dia 18 de fevereiro, diante das previsões de estiagem”.

RECORDE

Apesar das preocupações, as estimativas continuam mantidas e é esperada uma safra recorde. É estimado aumento de 7,55% na área colhida, passando de 3,389 milhões para 3,645 milhões de hectares.

Já em relação à produtividade, também é esperada ampliação da quantidade de grãos colhidos.

Conforme o boletim, a expectativa é colher 53 sacas por hectare. O acréscimo de produtividade deve ser de 2,35% no comparativo com o ciclo passado, saindo de 11,325 milhões de toneladas na safra 2019/2020 para 11,591 milhões de toneladas na safra 2020/2021.

Segundo o titular da Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), Jaime Verruck, a estimativa de recorde para a safra é mantida.

“A gente iniciou agora a colheita da safra e, pelas produtividades médias já obtidas, estamos estimando uma produtividade de 53 sacas por hectares – até o momento está acima disso. A gente está confirmando uma safra recorde, mas depende muito deste período de colheita”, explica o secretário.

Verruck ainda aponta que haverá uma aceleração na colheita a partir da próxima semana.

“Será uma colheita acelerada, assim como foi o plantio acelerado em decorrência do atraso por causa da seca. Lembrando que nós temos 60% [da soja] comercializada, então, a partir do dia 22, você vai ver uma ativação muito forte de transporte rodoviário no Estado.

Porto Murtinho, a partir desta semana, já começa a receber nos armazéns grãos para exportação: a movimentação da safra em função das condições climáticas será bastante positiva”, afirma Verruck ao Correio do Estado.

O plantio do milho segunda safra atingiu o índice de 1,1% em Mato Grosso do Sul, com aproximadamente 22.033 hectares semeados.

A região sul tem o plantio mais avançado, com média de 1,4%, enquanto a região norte está com 0,7% e a região central com 0,0% de média.

A porcentagem de área semeada até o momento é 6,90% inferior em relação à safra 2019/2020.

Conforme o boletim técnico: “O plantio está atrasado no Estado, em razão da colheita da soja estar lenta, pois o seu início foi prejudicado pelas fortes chuvas”.

O presidente da Aprosoja-MS indica que o produtor rural fique atento à melhor janela para a implantação da segunda safra.

“A semeadura do milho safrinha fica comprometida, porque temos 1% de milho semeado até o momento. O que deixa o produtor em estado de alerta, porque a janela da safrinha vai bem até o primeiro decêndio de março, ou seja, os primeiros dias de março são a janela máxima para o plantio desse milho”, diz Dobashi.

Ainda de acordo com o boletim técnico do setor, a alta demanda por grãos pode impulsionar o aumento da área plantada no Estado.

E para os próximos dias, apesar da irregularidade das precipitações, tanto colheita quanto plantio devem avançar.

“Nessa próxima semana esperamos um período de estiagem, o que facilitará o avanço tanto da colheita da primeira safra quanto da semeadura do milho. O plantio deve ganhar força nos próximos dias com a colheita da soja, que é o que o produtor está esperando para tentar colocar o máximo de milho semeado até os primeiros dias de março”, complementa Dobashi.

 

fonte: correiodoestado
Espalhe por ai:

Veja Também

Prêmio de 40 milhões da Mega-Sena tem uma aposta vencedora

Uma única aposta acertou os seis números do concurso 2363 da Mega-Sena realizado neste sábado (17) ...

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.