Home / Economia / Com preço na altura, jeito é “matar o boi” ou Natal será com porco e frango

Com preço na altura, jeito é “matar o boi” ou Natal será com porco e frango

Carne bovina subiu 30%, sem previsão de baixa, e mesmo mais alto, porco é uma saída para as festas de fim de ano

Carne vermelha, o novo “ouro” do mercado brasileiro, exibido em um dos açougues do mercadão (Foto: Marcos Maluf)

 

Natal pede lombo suíno ou leitoa à pururuca. Essa frase, tradição em muitas famílias, pode ser agora a saída para salvar o Natal em 2019 para os carnívoros, traço típico dos sul-mato-grossenses. Com a carne bovina lá em cima, que chega, em alguns locais, a atingir 30% a mais no preço final, o jeito é comprar filé mignon suíno.

O Mercado Municipal de Campo Grande – o Mercadão – é ponto de encontro de campo-grandenses e turistas, misto de cores e cheiros e destino de quem quer encontrar carne boa, ainda que a um preço mais salgado. Nesta terça-feira (3), no entanto, o preço está nas alturas.

Nos corredores, a conversa do consumidor é informada. Sabem que os preços subiram porque a equipe econômica do governo priorizou a exportação (entre outros motivos) e que o brasileiro é que paga o pato.

O aposentado Marcelo Aparecido, 51, estava na boca do caixa e o preço alto da carne bovina não fez com que mudasse a escolha pelo coxão mole e a bisteca, mas fez com que comesse menos carne ao longo da semana, conforme explicou.

“Fomos pegos de surpresa. Assustou, mas acho que é em função das exportações, faltou a previsão, faltou planejamento. É claro que o empresário vai querer lucrar, vai estar preocupado com o lucro, para ele em dólar é melhor”, avaliou.

A proprietária de um açougue que preferiu não ser identificada pedia ajuda para um dos funcionários para avaliar o impacto nas vendas. Afirma que por ali o movimento caiu em 60%. Nem o porco, que subiu um pouco menos do que a carne bovina, tem vendido muito. Especialistas acreditam que demore, em média, 4 meses para que os preços caiam novamente.

“Não é como antes, é um Natal fraco, antes tínhamos tanta encomenda, as pessoas sabiam o que queriam comprar. Até agora, nenhuma encomenda de leitão”, disse. Basta olhar a tabela para entender: R$ 37 o quilo do leitão.

“Matar o próprio boi” – A crise ensina o campo-grandense a comer outras carnes além da bovina. É o que alega o fiscal de obras Cláudio Roberto Gomes, 43, que não vai sempre ao mercadão, só em ocasiões especiais, porque prefere o preço mais ameno dos mercados de bairro.

“Venho de vez em quando, mas subiu em todo lugar. Tenho comido frango e peixe, antes comíamos sempre carne bovina. Para o Natal comprei 1 boi, vou buscar na fazenda, é a minha sorte, na fazenda do meu primo. Eles exportaram, preferiram mandar para fora e deixar o brasileiro sem”, comentou ele, de braços cruzados.

A pensionista Ainda Cristaldo, 63, trocou o bife pelo puchero (Foto: Marcos Maluf)
A pensionista Ainda Cristaldo, 63, trocou o bife pelo puchero (Foto: Marcos Maluf)

A pensionista Ainda Cristaldo, 63, mudou, e bastante, o cardápio. Trocou a costela e o “bife” que ela diz nem saber de qual tipo de carne pelo “puchero”, vendido a R$ 1 o quilo em uma das lojas do mercadão. “Vou ficar assim até abaixar, está sem condição. Natal vai ser porco e frango”, afirmou.

Fernanda Ajala tem 24 anos e gerencia o açougue de suínos do padrasto, que fica em frente ao mercadão. O local existe há 3 anos e a família avalia que este é o pior momento, desde que começaram, para o consumidor. Por ali, no entanto, a crise trouxe coisa boa: mais gente indo atrás de carne de porco.

“Na verdade o preço está em alta desde junho. Os chineses estão importando. Tudo subiu, mais ou menos, R$ 2,00”, analisa ela. O lombo suíno passou de R$ 14,90 para R$ 17,90, o filé mignon suíno subiu de R$ 15,90 para R$ 16,90 e a costelinha, que antes era R$ 17,90, agora está R$ 19,90.

“O que mais subiu foi o lombo, as pessoas dão uma reclamada, mas compram. Eles entendem. O público da carne bovina está vindo pra cá. Mas porco no Natal é tradição”, emenda Fernanda.
A alta dos preços, de modo geral, faz com que todos os comerciantes fiquem apreensivos. Gerente de uma loja de doces, geleias e queijos, Flávio Roberto da Silva Rocha, 33, afirma que os preços da carne vermelha acabam influenciando todos os produtos, ainda que o preço do queijo continue “estável”.

“Querendo ou não influencia. Tudo muda e afeta a todos. Esse ano está sendo fraco, estamos esperando o fim do ano para ver se melhora”, afirma.

Jovem, Fernanda aproveita a maré boa de quem trocou o boi pelo porco e vai comprar no açougue que ela gerencia (Foto: Marcos Maluf)
Jovem, Fernanda aproveita a maré boa de quem trocou o boi pelo porco e vai comprar no açougue que ela gerencia (Foto: Marcos Maluf)

Subiu por quê? – O aumento que chega, em média, até 30% nos preços da carne bovina já virou até piada nas redes sociais, mas majoração do produto deve ser levada a sério pelo consumidor. De acordo com levantamento feito pelo Nepe (Núcleo de Estudos e Pesquisas Econômicas e Sociais), da Uniderp, de janeiro a novembro as cotações subiram até 18%, a exemplo da picanha.

Ainda assim, no final de novembro até agora o mercado enlouqueceu com altas que superam 30%. O coordenador do Nepes/Uniderp economista Celso Correia de Souza lista uma série de motivos para a disparada nos preços.

O especialista fala da entressafra do boi gordo para o abate – as pastagens continuam secas com os níveis de chuvas abaixo das médias históricas para as regiões produtoras de bovinos; aproximação do final do ano com aumento de consumo de carne bovina; liberação de parte do 13º Salário, como também do FGTS, injetando dinheiro na economia; valor do dólar muito elevado em relação ao real, favorecendo as exportações do produto; e finalmente a entrada da China como compradora do produto brasileiro.

“A entrada da China comprando carnes no mercado brasileiro é devido à peste suína que assola esse país. Desse modo, os preços da carne bovina no mercado varejista de Campo Grande aumentaram, em média, 8,14%, de janeiro a novembro de 2019, principalmente, na última quinzena de novembro quando noticiou-se a intenção da China em comprar o nosso produto. Os efeitos disso já chegaram no campo com o aumento da arroba do boi gordo, superando R$200,00, como também, já sentimos esse aumento no varejo da cidade”, destacou o economista.

Ele alerta que também as demais proteínas de origem animal estão sendo afetadas e o aumento chega ao frango e suíno. “As carnes de frango e suína também aumentaram de preços já que são substitutas da carne bovina. Com a carne de frango o aumento foi, em média, de 5,75% e a carne suína foi de 11,81%, nesse mesmo período”, frisou o professor.

A tendência ainda é que a onda de reajustes continue. “Estamos no início das exportações de carne para a China, portanto, a médio e a longo prazo os preços das carnes podem continuar aumentando, afetando o consumidor brasileiro”, concluiu.

 

fonte: campograndenews
Espalhe por ai:

Veja Também

Aumento expressivo do óleo e arroz puxam alta da cesta básica em Campo Grande

Cesta básica aumentou 5,54%, fechando outubro R$ 27,32 mais na Capital     Preço do ...

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.