Com valor de uma cesta básica em Campo Grande, dá para comprar seis no Paraguai

Contudo, mesmo com produtos mais baratos, nem sempre a qualidade compensa

Kilo do tomate era comercializado por R$ 8,90 em atacadista da Capital, no mês de junho. (Foto: Geniffer Rafaela)

 

Comercializada em moeda guarani, o valor da cesta básica no Paraguai é 83,79% inferior do que as que são vendida na capital sul-mato-grossense. Enquanto os produtos básicos para alimentação diária do brasileiro custa R$ 706,12 em Campo Grande, no país vizinho é de R$ 114,41 (150.000 guaranis).

A Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) faz um levantamento dos produtos mensalmente, o mais recente é o do mês de junho, que mostrou o valor médio de R$ 706,12 referente ao mês de maio na Capital. O próximo estudo deverá ser publicado no dia 5 de agosto.

Em média, a batata é comercializada em Campo Grande por R$ 4,80; o tomate, a R$ 5,29; a carne bovina, R$ 40,48; o leite, por R$ 6,28.

Já no Hipermercado Maxi, em Pedro Juan Caballero, fronteira com Ponta Porã, onde a cesta básica é comercializada por R$ 114,41, o preço da batata é de R$ 3,65; o do tomate, R$ 4,79; o da carne bovina, por R$ 33,17; e o leite, por R$ 3,70.

No local também é comercializado azeite por R$ 10,48; arroz de 2 kg, por R$ 8,33; e feijão de 1 kg, a R$ 7,96.

O fotógrafo Fabio Machado, de 39 anos, é natural de Ponta Porã e mudou-se para Campo Grande há poucos meses, para ficar mais perto do filho. Ele costuma ir com frequência para a linha fronteiriça para trabalhar e visitar a família, e alerta que apesar dos preços atrativos, é preciso ficar atento à qualidade dos produtos.

“Pela qualidade nem sempre compensa. Macarrão, por exemplo, o nosso pacote de macarrão é de 500 gramas, lá é de 230, 300 gramas. Laticínios lá é bem mais barato, iogurte mesmo, e não bebida láctea, costuma pagar R$ 4,80 o litro, e marca boa mesmo, mas marca paraguaia. Aqui a gente vai pagar uns R$ 10, a marca mais barata né. Mas não é tudo que está compensando, doce mesmo, compro bastante e compensa mais ali em Ponta Porã, carne também não é tão diferente”, relatou.

Na última semana, Fabio foi até Ponta Porã com o filho pequeno e aproveitou para fazer compras no país vizinho. Ele encontrou o litro do leite a R$ 3,70 e fez a festa. “Quem diria que eu ia fazer contrabando de leite do Paraguai”, brincou, mas ressaltou que não comprovou para revender, e sim para consumo próprio.

Cesta básica – O custo médio da cesta básica de alimentos em Campo Grande caiu 7,3% em maio, conforme pesquisa da Dieese. A Capital superou Brasília (-6,1%) e Rio de Janeiro (-5,84%).

Em 12 meses, Campo Grande teve a terceira maior alta, de 22,8%. Das 17 capitais pesquisadas, apenas Recife (PE) e Salvador (BA) registraram altas.

A cesta básica comprometeu 62,98% da renda do campo-grandense. E segundo o Dieese, o salário mínimo necessário para custear todas as despesas deveria ser equivalente a R$ 6.535,40, cinco vezes mais que o piso atual de R$ 1.212.

Por que o leite está tão caro? Assim como os demais produtos da cesta básica, o leite sofreu alta e quase bateu R$ 10 por litro em Campo Grande no último mês.

São diversos fatores que influenciam nesta alta, sendo eles a entressafra, aumento do preço da carne bovina, alta dos custos de produção e problemas climáticos.

O economista Eugênio Pavão explica que a entressafra, período entre o fim de uma colheita agrícola e o início de um novo plantio, provoca a redução dos campos verdes, emagrecendo os animais e reduzindo as produções. Essa época é longa em Mato Grosso do Sul, vai de abril até outubro.

“A alta dos combustíveis também levou à alta das embalagens de produção, junto com o custo de resfriamento do produto  que consome muita energia elétrica. Desta forma, a queda da oferta do produto é a consequência desse conjunto de fatores, pela lei da oferta e demanda, se a demanda é maior que a oferta, eleva o preço do produto”, afirmou Pavão.

 

 

fonte: campograndenews
Espalhe por ai:

Veja Também

Conab estima produção de 49 mil toneladas de pluma de algodão em MS nesta safra

O número cresce a cada ano, mas ainda está longe de atingir o nível dos ...

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.