Home / Destaques / Consórcio quer que prefeitura “absorva” imposto da tarifa de ônibus na Capital

Consórcio quer que prefeitura “absorva” imposto da tarifa de ônibus na Capital

Empresa teve decisão favorável sobre a incorporação do ISSQN no cálculo da passagem, mas alega que Município teria meios para não repassar ao usuário

Valor atual da tarifa é R$ 4,10, mas decisão pode fazer com que o preço aumente – Foto: Bruno Henrique

O Consórcio Guaicurus conseguiu na Justiça o direito de que o Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN) fosse adicionado ao cálculo do valor da passagem do transporte coletivo de Campo Grande.

Porém, segundo o presidente das empresas, João Rezende, a Prefeitura de Campo Grande teria meios para fazer com que esse valor não fosse repassado aos usuários.

“O aumento da tarifa não é simpático para ninguém, mas estamos pagando um imposto que não é nosso, então entramos na Justiça para mudar isso. Agora cabe à prefeitura fazer o cálculo de como isso será feito. Ela tem várias formas de fazer com que isso não chegue aos usuários”, declarou Rezende.

Perguntado, o presidente não quis citar como isso seria feito.

O Consórcio não passou uma estimativa de quanto ficaria a passagem de ônibus caso o imposto fosse repassado ao consumidor.

Na decisão, proferida em setembro, o desembargador Divoncir Schreiner Maran afirmou que não é competência do Judiciário definir preços de incumbência do Executivo.

A disputa judicial começou com a reclamação de que o imposto não seria de responsabilidade do Consórcio Guaicurus. Com isso, foi interposto mandado de segurança contra a prefeitura. E o recurso da administração pública levou à decisão.

“Não podemos pagar um tributo que não é nosso, somos responsáveis por recolher e não podemos pagar” alega Rezende. Isso porque em 2013 foi editada a Lei Municipal nº 220, regulando a isenção do ISSQN, e esse valor não foi mais repassado na tarifa em Campo Grande. Essa medida, porém, foi revogada no fim de 2019.

Contudo, a revogação ainda não havia sido feita no momento do cálculo do preço da passagem de 2020, o que causou “gastos excessivos”, de acordo com o Consórcio Guaicurus.

Segundo a concessionária, por mês, esse imposto retira 1,5% do faturado pelas empresas. Hoje, a tarifa de transporte coletivo custa R$ 4,10, valor estabelecido em 26 de dezembro de 2019, e a normativa saiu de vigência somente cinco dias depois, em 31 de dezembro.

Com esta justificativa, o Consórcio interpôs mandado de segurança contra a determinação proferida contra o prefeito Marcos Trad (PSD) e o presidente da Agência de Regulação dos Serviços Públicos Delegados (Agereg), Vinícius Leite Campos.

A empresa alegou que passou a arcar com a carga tributária, sobrecarregando as despesas, e que esse aumento de custo não foi considerado para a fixação do preço da tarifa para o exercício deste ano.

Já o município, por sua vez, diz nos altos que “a concessão da segurança com a autorização de depósito dos valores correspondentes ao ISSQN em conta judicial causa danos irreparáveis à receita municipal, bem como desequilíbrio econômico-financeiro, o que não pode ser admitido, ainda mais levando-se em conta a incidência da pandemia de Covid-19”.

Após a decisão, a administração afirmou que contestará na Justiça a decisão do desembargador, segundo a assessoria de imprensa da prefeitura da Capital.

Segundo o comunicado, durante os três anos da gestão de Marcos Trad (PSD), o reajuste foi feito acompanhando o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) e por força contratual.

Ainda de acordo com a nota, a tarifa saltou de R$ 3,70 em 2017 para R$ 4,10 em três anos, com reajuste total de 15,49% no período. Já na gestão anterior, em 2013, o preço saiu de R$ 2,70 para R$ 3,55 em 2016, um aumento de 31,48%.

Cobrança

Segundo o Consórcio Guaicurus, em setembro, as empresas arrecadaram cerca de R$ 7 milhões e apenas R$ 105 mil desse total foi retirado para pagar o Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN), valor que a empresa não quer perder.

 

fonte: campograndenews

 

Espalhe por ai:

Veja Também

MS tem 406 pacientes internados com a covid e Saúde pede “medidas restritivas”

Durante live, titular da Secretaria Estadual de Saúde pediu a gestores municipais medidas como toque ...

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.