Home / Economia / Dólar tem maior alta mensal desde março

Dólar tem maior alta mensal desde março

Moeda fechou o dia com alta de 1,20%, cotado a R$ 5,48

Notas de dólares sendo contadas. (Foto: Marcello Casal Jr/AgênciaBrasil)

O dólar fechou em alta de mais de 1% ante o real na última sessão de agosto, mês de intensa pressão no câmbio devido a incertezas políticas e fiscais que mantiveram o real como a moeda relevante mais volátil do mundo.

O dólar subiu 1,20% nesta segunda-feira (31), cotado a R$ 5,4807, depois de cair 2,93% na sexta-feira (28), maior desvalorização diária desde o começo de junho.

Em agosto, o dólar subiu 5,02% – maior alta mensal desde os 15,92% de março passado. Em 2020, a moeda acumula alta de 36,58%.

A alta do dólar neste começo de semana esteve associada a um dia menos auspicioso no exterior, em que moedas emergentes e bolsas de valores se desvalorizaram, enquanto ativos seguros, como os Treasuries, ganharam terreno, conforme investidores deram uma pausa à espera de mais notícias que justifiquem o rali recente dos mercados.

No Brasil, o movimento do dólar permaneceu, ao longo do mês, relacionado à incerteza sobre o rumo das contas públicas – e assim deve continuar. Agosto foi marcado por ruídos entre a equipe econômica e alas do governo em defesa de mais gastos e flexibilização de regras fiscais.

Dados divulgados pelo Banco Central na manhã desta segunda-feira mostraram que a dívida bruta brasileira, considerada a principal medida da saúde fiscal do país, subiu 10,7 pontos percentuais no ano até julho, ao patamar recorde de 86,5% do Produto Interno Bruto (PIB).

Também nesta segunda, a equipe econômica aumentou o deficit primário previsto para o governo central para R$ 233,6 bilhões de reais em seu projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) do ano que vem encaminhado ao Congresso.

Bolsa de Valores

O Ibovespa, índice de referência da bolsa brasileira, a B3, fechou em queda nesta segunda-feira, com preocupações sobre a situação fiscal no país ainda minando o sentimento dos investidores, no começo de uma semana com agenda econômica de peso, incluindo a esperada definição de auxílio emergencial e desempenho do PIB brasileiro no segundo semestre.

O índice caiu 2,09%, a 100.006,95 pontos, encerrando agosto com declínio acumulado de 2,82%, primeira perda mensal desde março, conforme dados preliminares, que mostravam um giro financeiro de R$ 21,7 bilhões na sessão.

Investidores aguardam a definição do valor do auxílio emergencial, prevista no mercado para amanhã. A terça-feira também tem na pauta econômica o desempenho do PIB do país no segundo trimestre.

 

fonte: campograndenews
Espalhe por ai:

Veja Também

Na Capital, litro da gasolina atinge o maior valor da série histórica da ANP

Conforme o levantamento, o preço do combustível custa entre R$ 4,43 e R$ 4,89 em ...

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.