Home / Destaques / Durante semana restritiva comerciantes tentam vender por delivery

Durante semana restritiva comerciantes tentam vender por delivery

Apenas atividades essenciais podem funcionar de acordo com o decreto municipal

Lojas investem no delivery durante semana restritiva em Campo Grande – Alvaro Rezende

 

 

Com o intuito de conter o contágio da Covid-19, o governo municipal de Campo Grande antecipou feriados dos próximos dois anos para está semana, permitindo que apenas trabalhos essenciais sejam executados.

Contudo na última quarta-feira (24), a prefeitura de Campo Grande atualizou o decreto permitindo que serviços bancários e delivery para todas as atividades.

Nesta quinta-feira (25), já foi possível identificar comerciantes investindo no delivery. A proprietária de uma loja de produtos infantis, que preferiu não se identificar estava com a porta de sua loja entre aberta para realizar suas entregas delivery.

“Dependo do meu negócio, estamos passando por momentos muito difíceis, não é o ideal vender desta forma, mas é melhor do que nada, estou reforçando o conteúdo online da minha loja, entrando em contato com as clientes, estou buscando formas de vender seguindo a regras do decreto”.

A mulher explica que não recebe nenhum cliente fisicamente em sua loja, mas que tem realizado entregas dos seus produtos.

“É muito difícil ficarmos parados, com a alteração do decreto, permitindo delivery, pude retornar com as minhas vendas, então venho para loja deixo somente meia porta aberta e fico atendendo minhas clientes on-line, mando mensagens no WhatsApp, ofereço meus produtos, alimento minhas mídias sociais, e quando aparece um pedido eu saio para entregar”.

A comerciante explica que sente a queda drástica de suas vendas. Mesmo respeitando o decreto a empresária diz acreditar que a medida  restritiva da semana que antecipou feriados não é a melhor ação a ser tomada pelos governantes.

“Eu não acredito que vamos conter a contaminação dessa forma, porque as pessoas que estão se contaminando são fruto de aglomerações clandestinas, festas irregulares, pessoas que ao invés de ficar em casa estão saindo para passear, não por culpa do comércio”, pontuou.

Segundo a comerciante os decretos deveriam ser certeiros, “ficam mudando os decretos de uma hora para outra, ficamos perdidos e a resto da população também, não sabemos o que podemos ou não fazer, se estamos contra o recomendado ou não, isso é complicado, os governantes deveriam alinhar os posicionamentos”, declarou.

Decreto do Estado

O Governo do Estado publicou em edição extra do Diário Oficial da quarta-feira (24), a prorrogação do toque de recolher e um novo decreto contendo restrições desta sexta-feira (26) até 4 de abril, voltadas ao enfrentamento da emergência de saúde pública decorrente do coronoavírus.

A nova lista traz 45 serviços considerados como essencial. Serviços de delivery e drive thru em geral, por exemplo, continuam liberados. Além disso, o 190 da Polícia Militar estará recebendo denúncias do descumprimento das normas previstas no decreto.

Segundo o decreto, está proibido quaisquer atividades, eventos, reuniões e festividades, em espaços públicos ou em espaços privados de acesso ao público ou de uso coletivo, que possam acarretar aglomeração de pessoas, ficando vedado o funcionamento de locais como centros esportivos, balneários, clubes, salões e afins.

Os serviços considerados essenciais podem funcionar de segunda à sexta-feira, das 20 às 5 horas e aos sábados e domingos, das 16 às 5 horas.

A limitação de atendimento ao público de, no máximo, 50% da sua capacidade instalada com distanciamento de 1,5m e medidas de biossegurança.

 

 

fonte: correiodoestado
Espalhe por ai:

Veja Também

Conta de luz ficará até 8,9% mais cara em Mato Grosso do Sul, decide Aneel

O aumento será de 7,28% para residências e de 10,69% para empresas de 74 cidades ...

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.