Home / Destaques / Estudo indica que Capital atingiu pico de casos de covid e tendência é de queda

Estudo indica que Capital atingiu pico de casos de covid e tendência é de queda

Pesquisadores da UFMS relatam que isolamento, no entanto, ainda é necessário, para evitar nova onda de crescimento

Campo Grande começa a se livrar do pior período da pandemia. (Foto: Paulo Francis/Arquivo)

Segundo estudo da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) indica que Campo Grande já chegou ao pico de casos de covid-19 e a partir de agora, começa o chamado achatamento da curva, com redução progressiva de casos e mortes.

Até ontem, a Capital tinha 18.875 confirmações da doença e os pesquisadores projetam para hoje, 25, 19.100 casos, que segundo o sistema de projeção de casos – Modelo Gompertz -, é o pico. Os dados revelam ainda que não há mais risco de colapso no sistema de saúde.

Os modelos ajustados nas três últimas semanas mostraram real achatamento da curva. Duas consequências deste achatamento é que as projeções para o número de pacientes que precisarão de atendimento em leitos clínicos e de UTI não indicam o colapso do sistema de saúde”, diz trecho de relatório encaminhado à Sesau (Secretaria Municipal de Saúde).

Responsáveis pela pesquisa, os professores Erlandson Saraiva, do Inma (Instituto de Matemática) e Leandro Sauer, da Esan (Escola de Administração e Negócios) afirmam no estudo que a taxa de reprodução do vírus, ou seja, a quantidade de pessoas infectadas a partir de outras, está em 1,06, ou seja, próxima da estabilização, que é 1,0.

“Esse valor indica que estamos muito próximos do valor de estabilidade da doença, que é 1,0. De acordo com a escala denominada de Covidímetro, proposta por professores da UFRJ, este valor indica um risco moderado de propagação da doença”, afirmam.

Fases – o relatório sustenta ainda que, diante dos números contabilizados até 23 de agosto houve quatro fases da pandemia em Campo Grande. A pior delas, a partir de julho, quando ocorreu o crescimento exponencial de casos.

Houve “crescimento acelerado no início, que se deu no início do mês de agosto, seguido de uma fase uma redução, que se iniciou após o dia 15 de agosto”.

Para os pesquisadores, os resultados mostram a necessidade de a população continuar seguindo as orientações de especialistas da área da saúde e manter o isolamento social sempre que possível.

“Este procedimento é necessário para mantermos o cenário de achatamento da curva e evitarmos o início de um quinto cenário de crescimento da doença”, alertam.

 

fonte: campograndenews
Espalhe por ai:

Veja Também

MS tem 406 pacientes internados com a covid e Saúde pede “medidas restritivas”

Durante live, titular da Secretaria Estadual de Saúde pediu a gestores municipais medidas como toque ...

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.