Home / Destaques / Gasto de MS com tornozeleira eletrônica passa para R$ 310 mil/mês

Gasto de MS com tornozeleira eletrônica passa para R$ 310 mil/mês

Contrato foi reajustado em R$ 1 milhão, passando ao valor de R$ 4 milhões em 10 meses

Manutenção de cada equipamento vai custar R$ 255 para a Agepen. (Foto: Arquivo)

 

Aumentou para R$ 4,1 milhões, no prazo de 10 meses, o valor do contrato da Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário) com a empresa Space Com, para fornecimento de tornozeleiras eletrônicas, usadas no monitoramento de pessoas condenadas ou cumprindo medidas restritivas de liberdade em Mato Grosso do Sul. O valor, que foi definido em R$ 3,1 milhões teve reajuste de 11,22%, acréscimo de pouco mais de R$ 1 milhão.

A base de cálculo é o valor unitário do aluguel das tornozeleiras, incluído o sistema de monitoramento. O valor mensal do contrato passará dos atuais R$ 310.500,00 para
R$ 345.316,50. O valor por dispositivo eletrônico de monitoramento irá dos atuais R$ 230,00 para R$ 255,79.

O montante total refere a 1.350 tornozeleiras, previstas no contrato original. É o terceiro termo aditivo ao contrato. O extrato com a alteração, publicado no Diário Oficial desta quinta-feira (8) atribui o aumento ao cumprimento do contrato, que prevê reajuste anual dos valores pelo IGP-M, medido pela Fundação Getúlio Vargas. Esse acréscimo, conforme o texto, é correspondente ao período de maio de 1017 a maio de /2019, ou seja, 2 anos.

Diz o extrato do aditivo que os efeitos financeiros do reajustamento do contrato valem a partir da data de autorização do Secretário de Estado de Fazenda do Estado de Mato Grosso do Sul. A data informada é 18 de julho.

 

“Presídio virtual” – Quando o contrato foi oficializado, em 26 de março do ano passado, a Agepen informou que os equipamentos integram ata de registro de preços para locação de duas mil tornozeleiras da empresa Spacecom. A empresa venceu processo licitatório.

Além de fornecer os equipamentos, a empresa precisa manter disponíveis um engenheiro e um coordenador técnico para dar suporte aos agentes penitenciários.

Há três anos, a Unidade Mista de Monitoramento Estadual centraliza em Campo Grande o controle de investigados e condenados que utilizam a tornozeleira eletrônica. Essas pessoas têm restrição de mobilidade e, quando saem da área permitida, soa um alarme e a polícia é acionada.

 

fonte: campograndenews
Espalhe por ai:

Veja Também

Enfermeiros fazem greve por falta até de agulha em postos de saúde

Profissionais também cobram pagamento de incentivo repassado pelo Ministério da Saúde     Profissionais de ...

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.