Governo vai decretar toque de recolher em todo Estado a partir de segunda-feira

Medida tem como objetivo reduzir o número de ocupação no sistema de saúde, que está em colapso

Hospital Regional de Campo Grande, referência para a Covid-19, está superlotado – Valdenir Rezende

 

 

O Governo do Estado de Mato Grosso do Sul publicará, nesta sexta-feira (11), um decreto que obrigará os 79 municípios a impor toque de recolher das 22h até às 5h.

A informação é do secretário de Saúde do Estado, Geraldo Resende, e foi confirmada pelo governador Reinaldo Azambuja (PSDB).

A medida tem o objetivo reduzir o aumento no número de infecções e, consequentemente, diminuir o número de leitos ocupação nos sistemas público e privado de saúde, que está a beira de um colapso.

“Por exemplo, o Hospital Regional de Campo Grande, que é nossa referência no tratamento da doença no Estado, está com quase todos os leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) ou clínicos, destinados a Covid-19, ocupados. Com as medidas, pretendemos diminuir a mobilidade social e, consequentemente, o número de infectados e mortes”, afirmou Resende.

Acompanhe as últimas notícias do Correio do Estado

Além disso, o decreto pretende estipular que as cidades cumpram o programa Prosseguir, para que elas obedeçam com as recomendações de cada bandeira que esteja listada.

Questionado sobre quais sanções os gestores municipais que descumprirem a medida sofreram, o secretário preferiu se atentar ao fato de que, por conta da pandemia, nenhum deles deixou de seguir a orientação da autoridade estadual.

“Não trabalho com conjecturas, vai ou não obedecer. Buscamos com todos os municípios uma unidade no combate a essa doença e estamos conseguindo.

Porém, caso algum deles não cumpra, terão que justificar essa atitude ao Governo do Estado e ao Ministério Público Estadual (MPMS)”, projetou.

Colapso

Nas últimas 24 horas, MS registrou 1.236 casos positivos de Covid-19 e 18 óbitos, totalizando 109.785 infectados e 1.888 mortes.

De acordo com o boletim epidemiológico da doença, a taxa de ocupação de leitos clínicos e de UTI no Estado aumentou drasticamente e já há falta de vagas nas regiões de Campo Grande e Corumbá.

Já as regiões de Dourados e Três Lagoas estão com ocupação de 78% e 64%, respectivamente.

O Estado ainda possui três municípios com grau extremo no programa Prosseguir, nos quais são: Naviraí, Amambai e Três Irmãos do Buriti.

De acordo com o programa, apenas atividades essenciais deveriam funcionar nos municípios citados, o que não está sendo seguido por todas as administrações municipais.

A maioria das cidades se encontra no grau alto de risco para Covid-19, de acordo com o programa, incluindo Campo Grande, Aquidauana, Dourados e Corumbá.

Segundo o Prosseguir, apenas atividades essenciais e não essenciais de baixo risco deveriam funcionar nesses municípios.

Apenas Três Lagoas, Selvíria, Angélica e Novo Horizonte do Sul estão com a bandeira amarela, indicando grau tolerável para a doença e autorizando atividades não essenciais de baixo, médio e alto risco.

Decreto

Segundo nota do Governo do Estado, a fiscalização do toque de recolher será feita pela Polícia Militar, Corpo de Bombeiros Militar, Vigilância Sanitária Estadual e Guardas municipais e vigilâncias sanitárias municipais vão reforçar a inspeção.

Conforme o decreto estabelecido pelo governador, os municípios devem adotar as recomendações sanitárias definidas pelo Programa de Saúde e Segurança da Economia (Prosseguir) durante a restrição de circulação de pessoas. Casos de municípios que não seguirem as regras serão encaminhados ao Ministério Público Estadual (MPMS).

 

fonte: correiodoestado
Espalhe por ai:

Veja Também

Governo amplia vagas e destina R$ 3,8 milhões para atletas e técnicos de MS

Número de vagas aumentou 45%, de acordo com publicação no Diário Oficial desta quinta-feira   ...

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.