Home / Destaques / Hospitais de Campo Grande estão no limite

Hospitais de Campo Grande estão no limite

Rede pública de saúde não tem mais vagas para pacientes com Covid-19

Ambulâncias do Samu têm movimento intenso – Foto: Valdenir Rezende

Os hospitais da rede pública de saúde de Campo Grande já não têm mais vagas para pacientes com Covid-19.

Nas três unidades que operam pelo Sistema Único de Saúde (SUS), as unidades de terapia intensiva (UTIs) reservadas para o novo coronavírus estão com 100% de ocupação.

Restam apenas alguns hospitais particulares com contratos com a prefeitura.

No Hospital Regional de Mato Grosso do Sul, referência para o tratamento da Covid-19 em Campo Grande, apenas duas vagas em UTIs estavam vazias até ontem.

Nesta semana, a ocupação na unidade chegou aos 100% dos leitos críticos (UTI e semi-intensivo).

Já na Santa Casa de Campo Grande, maior hospital da Capital, nenhuma vaga para pacientes com a doença estava disponível.

Das 10 vagas disponibilizadas na Unidade do Trauma, 100% estavam ocupados por pacientes que estavam no Hospital Regional e tiveram de ser transferidos.

No Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian, os 10 leitos para o tratamento da doença, que foram inaugurados na segunda-feira, estão ocupados.

O centro médico, inclusive, está com 100% de ocupação para internação em todos os setores adultos – UTI geral e leitos clínicos. A prefeitura ainda tem leitos contratualizados no Hospital Adventista do Pênfigo, El Kadri, Clínica Campo Grande e Proncor.

De todos esses, a melhor situação é a do Proncor, que ainda tem 30% das vagas em UTIs, porém, para atendimento a pacientes com outras doenças, não há mais leitos no setor.

Já os leitos do setor no Pênfigo, inaugurados há 10 dias, também já estão ocupados. A taxa de ocupação em relação aos leitos clínicos era de 60% no fim da tarde, mas havia a possibilidade de chegar a 80% até o fim do dia, segundo a assessoria de imprensa da unidade.

A mesma situação se encontrava no El Kadri, com todos os leitos de UTI contratualizados com a prefeitura ocupados. Do setor, sete estavam com pacientes do SUS e três provenientes de convênios. A UTI geral não tinha leitos, e a UTI cardio, que não recebe pacientes com Covid-19, tinha quatro vagas.

Segundo o titular da Secretaria de Estado de Saúde (SES), Geraldo Resende, o governo tenta conseguir mais 10 leitos para serem implantados no Hospital do Pênfigo, mas depende de equipamentos a serem conseguidos no interior. “São equipamentos que Dourados recebeu de doação e ainda não conseguiu implantar”, afirmou.

O secretário ainda diz que pretende chegar a 100 leitos críticos no Hospital Regional, entretanto, para que isso se concretize, é necessário que equipamentos que foram prometidos pelo Ministério da Saúde cheguem na Capital.

Segundo a prefeitura, a taxa de ocupação global dos leitos de UTI na cidade estava ontem em 86%, mas apenas 39 leitos para pacientes graves estavam disponíveis no início da tarde.

Para o médico infectologista e pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Julio Croda, é possível que na próxima semana já faltem leitos de UTI em Campo Grande, já que ainda há muitos casos sendo confirmados diariamente e o isolamento social não tem passado de 37% durante a semana.

“O cenário da Capital é muito preocupante, principalmente no que diz respeito aos leitos de terapia intensiva. Diversas cidades no Brasil e fora colapsaram seu sistema de saúde. Então, o gestor tem de entender que a curva de contágio dessa forma como está acelerada, o poder público não tem capacidade de acompanhar essa curva na oferta de leitos, e isso não é um fenômeno local, é um fenômeno mundial. Campo Grande deve adotar o lockdown, senão, na minha opinião técnica, já na semana que vem nós veremos pacientes morrendo por falta de leitos”, afirma.

Ocupação de leitos nos hospitais

Hospital Regional
Leitos clínicos: 72,5%
UTI Covid-19: 97,2%

Santa Casa
Leitos clínicos geral: 85%
Leitos clínicos Covid-19: 56%
UTI Covid-19: 100%
UTI geral: 95%

Hospital Universitário
Leitos clínicos: 100%
UTI Covid-19: 100%
UTI geral: 100%

Hospital do Câncer
Leitos clínicos: 54,5%
UTI geral: 98%

Hospital do Pênfigo
Leitos clínicos: 60%
UTI Covid-19: 100%
UTI geral: 90%

Hospital El Kadri
Leitos clínicos: 25%
UTI Covid-19: 100%
UTI geral: 100%
UTI cardio: 60%

Clínica Campo Grande
Leitos clínicos: 50%
UTI Covid-19: 90%
UTI geral: não informado

Proncor
Leitos clínicos: 81%
UTI Covid-19: 70%
UTI geral: 100%

Hospital da Cassems
Leitos clínicos Covid-19: 70%
UTI Covid-19: 92%
UTI geral: 88%

Hospital Unimed
Leitos clínicos geral: 75%
Leitos clínicos Covid-19: 71%
UTI Covid-19: 86,6%
UTI geral: 83%

Espalhe por ai:

Veja Também

MS tem 406 pacientes internados com a covid e Saúde pede “medidas restritivas”

Durante live, titular da Secretaria Estadual de Saúde pediu a gestores municipais medidas como toque ...

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.