Inflação recua 0,95% em Campo Grande, menor índice de toda a série histórica

Economistas acreditam em mais queda para agosto, mas ponderam que a liberação dos auxílios pode influenciar o IPCA

A deflação em Campo Grande atinge 0,95%, puxada por queda nos combustíveis e na energia elétrica. Esta é a primeira retração desde maio de 2020, quando o indicador atingiu -0,38%.

Quando analisados todos os meses da série histórica do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), iniciada em janeiro de 2014 em Campo Grande, é o maior recuo da taxa já registrado.

Economistas apontam que este mês o indicador pode cair novamente, mas a injeção dos benefícios sociais pode impactar a formação da taxa.

A queda do índice no mês passado foi motivada pelos grupos transportes (-5,84%) e comunicação (-0,16%), e os demais indicadores foram positivos, inclusive o grupo habitação, que teve queda de 1,05% no âmbito nacional e alta na Capital de 0,53%.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de julho foi de -0,68% na média nacional, ante 0,67% em junho. Foi a menor taxa registrada desde o início da série histórica, iniciada em janeiro de 1980 no Brasil.

Este ano, o IPCA acumula alta de 4,65% em Campo Grande, e nos últimos 12 meses a taxa é de 10,13%, abaixo dos 12,06% observados nos 12 meses imediatamente anteriores.

ICMS

Com a entrada em vigor da redução do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), o preço médio da gasolina em MS caiu R$ 1,70, fator que influenciou – e muito – no IPCA de julho. Além da gasolina, o etanol também registrou queda no mês passado, também com a redução de impostos.

Segundo o doutor em Economia Michel Constantino, a redução dos impostos foi fundamental para a queda dos preços, mas este não foi o único efeito.

“Temos a influência da alta na taxa de juros Selic, a retração do preço do barril do petróleo e uma estabilidade no valor do dólar”, analisa.

Na última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), a taxa de juros básica da economia, a Selic, teve alta de 0,50 ponto porcentual, atingindo 13,75%. O relatório ainda abre possibilidade para uma pequena alta nas próximas reuniões.

O aumento dos juros é uma estratégia do Banco Central para frear a inflação.

Como o grupo transportes foi o que mais contribuiu para a diminuição do índice aferido pelo IBGE, é natural que uma queda forte também contivesse a inflação. De acordo com o economista Fábio Nogueira, é isso que foi notado no medidor de julho.

“Assim como um valor mais alto do combustível provoca inflação de custo, uma redução provoca uma diminuição da inflação”, afirma.

Contudo, o economista vê a taxa Selic como a outra variável para manter a tendência de queda da inflação.

“A Selic conteve a inflação de demanda, portanto, o aumento inflacionário nos últimos dias estava mais ligado ao custo do que à demanda”, explica.

FUTURO

Com os benefícios sociais concedidos pelo governo federal a mais de 200 mil famílias só em Mato Grosso do Sul – e a mais de 17 milhões no Brasil todo –, a expectativa é ver o impacto destes auxílios (Auxílio Brasil, bolsa caminhoneiro e auxílio-taxista) nas próximas medições da inflação.

Doutor em Economia e professor da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), Mateus Abrita avalia que a redução deve prosseguir, se algumas tendências se concretizarem.

“Se o petróleo no mercado internacional continuar caindo, isso pode ser positivo para reduzir ainda mais a inflação. Agora, se isso não acontecer, o cenário vai ser uma certa acomodação dos preços”.

“Embora a taxa Selic esteja em patamares bem elevados, e isso ajuda a frear a atividade econômica, com certeza o pacote de auxílios vai movimentar a situação, mas é muito difícil afirmar qual será o efeito disso”, analisa.

O mestre em Economia Eugênio Pavão estima que a deflação de preços será sentida ainda este mês.

“A desaceleração da inflação em julho de 2022 [ foi motivada] pela queda de arrecadação do ICMS de combustíveis e energia, que têm forte impacto na formação da inflação. Eu acredito que teremos queda em julho e agosto, com retorno do índice positivo a partir de setembro”.

Para Pavão, o impacto do aumento do consumo também deve contribuir para o ligeiro aumento da inflação.

“Isso porque estimulará a aquisição de alimentos, que não sofrem os efeitos da desoneração do ICMS. Assim, os efeitos momentâneos da política fiscal [subsídios e benefícios] e monetária [alta dos juros] terão efeitos positivos no curto prazo e negativos no médio e longo prazo [2023]”.

Constantino não acredita que os auxílios impactarão a inflação. Segundo ele, o que aumenta preços é a diminuição da produção no mundo e o aumento do dólar e dos custos de produção.

“O auxílio terá pouco efeito na inflação, não deveremos sentir aumento de preços pelo consumo a partir dos auxílios, pois a renda já tem uma defasagem alta”, argumenta o economista.

10,13% no acumulado dos últimos 12 meses

Este ano, o IPCA acumula alta de 4,65% em Campo Grande, e nos últimos 12 meses a taxa é de 10,13%.

spinner-noticia

 

 

fonte: correiodoestado
Espalhe por ai:

Veja Também

Conab estima produção de 49 mil toneladas de pluma de algodão em MS nesta safra

O número cresce a cada ano, mas ainda está longe de atingir o nível dos ...

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.