Home / Destaques / Mato Grosso do Sul é o 5º maior produtor agrícola do Brasil, aponta o IBGE

Mato Grosso do Sul é o 5º maior produtor agrícola do Brasil, aponta o IBGE

Estado deve produzir, neste ano de 20 milhões de toneladas de grãos, com destaque para a soja: 11 milhões de toneladas

Levantamento Sistemático da Produção Agrícola – Divulgação /IBGE

 

 

Mato Grosso do Sul é quinto maior produtor agrícola do Brasil, aponta o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Neste ano de 2020, a projeção é que o Estado produza 20,037 milhões de toneladas de grãos, que incluem cereais, e plantas leguminosas e oleaginosas, número que equivale a 8% da produção nacional.

Entre as 27 unidades da federação, somente o Mato Grosso (28,% da produção brasileira), Paraná (16%), Rio Grande do Sul (10,5%) e Goiás (10,3%) estão a frente de Mato Grosso do Sul.

A produção no Estado neste ano deve ser 5% superior que a de 2019, mesmo com perdas na safrinha de milho. Pelo menos 1,046 milhão a mais de toneladas de grãos foram produzidas nas propriedades rurais de MS, onde a área plantada (5,15 milhões de hectares) aumentou 2,8% em relação a 2019.

A soja continua sendo o carro-chefe da produção agrícola de MS. Em relação ao ano passado, a estimativa é que a produção alcance 11 milhões de toneladas, volume 26,5% superior às 8,69 milhões de toneladas da safra 2019.

Apesar da redução de 13,2% na produtividade de milho na safra de inverno, o cereal continua segundo o segundo em volume de produção no Estado. Foram 8,56 milhões de toneladas colhidas na segunda safra deste ano, contra 9,85 milhões na safrinha do ano passado.

TRIGO

O IBGE estima que a produção de trigo em Mato Grosso do Sul neste ano tenha sido 45% maior que em 2019. Neste ano, a estimativa é de que a produção tenha atingido 63 mil toneladas, enquanto no ano passado foram 43,4 mil toneladas.

O campeão brasileiro em produção de trigo continua sendo o Paraná, que neste ano produziu 3,12 milhões de toneladas de trigo. Mato Grosso do Sul ocupa a sétima posição entre os produtores deste cereal. Foram plantados 30 mil hectares desta cultura, quantidade 6% superior à de 2019, quando foram plantados 28,4 mil hectares.

A produção de aveia no estado também aumentou: 62,4%. Foram produzidas 63 mil toneladas neste ano, enquanto em 2019, foram 38 toneladas. O Rio Grande do Sul continua sendo o maior produtor de aveia: 637,77 mil toneladas e Paraná o segundo, com 179,5 mil toneladas. MS alcança a 3ª posição entre os maiores produtores do país A área plantada foi de 35 mil hectares, 13% inferior à de 2019 (40,2 mil hectares).

CANA e ALGODÃO

A produção de cana-de-açúcar no Estado também merece destaque. Neste ano, o aumento foi de 18% em relação a 2019. Foram 61,6 milhões de toneladas produzidas em 2020, estima o IBGE, enquanto em 2019, o volume foi de 52,2 milhõs.

A cultura de algodão teve resultados menores neste ano, do que no passado, a queda foi de -12,1% ( 20 milhões de toneladas em 2020, contra 18,9 milhões de toneladas em 2019). A área plantada manteve-se estável: 32,6 mil hectares.

A produção de arroz se manteve estável, em outubro com 63 mil toneladas, aumento de 17% em relação ao ano passado.

Apesar do alto volume registrado, estes produtos não se enquadram no conceito de cereais, leguminosas e oleaginosas, mas contribuem para a participação de MS na produção agrícola nacional.

Avanço de 50% plantio da soja em MS

 

 

fonte: correiodoestado
Espalhe por ai:

Veja Também

Escolas estaduais terão aulas presenciais e remotas no ano letivo de 2021

Protocolo de biossegurança foi anunciado para as atividades presenciais O Governo de Mato Grosso do ...

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.