Home / Destaques / No STF, Mato Grosso do Sul se junta a outros Estados pela Sputinik V

No STF, Mato Grosso do Sul se junta a outros Estados pela Sputinik V

É aguardada a decisão do ministro Ricardo Lewandowski

Mato Grosso do Sul recorre ao STF para compra de vacina russa Sputnik V – Alvaro Rezende

 

O estado do Mato Grosso do Sul apresentou ao Supremo Tribunal Federal (STF), uma petição para compra da vacina russa Sputnik V.

Pensando na insuficiência das doses da vacina CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac e a Astrazeneca da Universiade de Oxford, o estado tomou a iniciativa de negociar as doses russa juntamente com outros sete.

Os governos da Bahia, Piauí, Espírito Santo, Paraíba, Sergipe, Maranhão e Pernambuco já apresentaram petições para a aquisição da vacina.

A possível compra do imunizante pode acelerar a vacinação no Estado sul-matogrossense, evitando a falta de imunizantes para os grupos prioritários.

O imunizante que já foi aprovado para uso emergencial da população das nações da Rússia,  Emirados Árabes Unidos, Venezuela, Bolívia, Bielorrúsia, Sérvia, Argélia, Hungria, Argentina e Paraguai, ainda não obteve o aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Em sua solicitação, o estado defende que a demanda é essencial para as suas estratégias na confrontação da pandemia da Covid-19. O caso está nas mãos do ministro Ricardo Lewandowski.

MS já recebeu um total de 190.746 vacinas, 76.700 doses já foram aplicadas, o Estado apresenta um percentual de 2,73% da pessoas vacinadas, o terceiro maior do país.

 

fonte: correiodoestado
Espalhe por ai:

Veja Também

Prêmio de 40 milhões da Mega-Sena tem uma aposta vencedora

Uma única aposta acertou os seis números do concurso 2363 da Mega-Sena realizado neste sábado (17) ...

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.