Home / Destaques / Petrobras sela acordo de venda da UFN3 para empresa russa

Petrobras sela acordo de venda da UFN3 para empresa russa

Russos e representantes da estatal brasileira têm reunião marcada para esta sexta-feira, quando devem assinar documento com o protocolo de intenções de cada um no negócio

Construção com investimento bilionário, na cidade de Três Lagoas, foi paralisada em dezembro de 2014 – Foto: Arquivo / Correio do Estado

 

A Petrobrás selou acordo com a gigante russa de fertilizantes, Acron, para a venda da Unidade de Fertilizantes Nitrogenados 3 (UFN3), empreendimento bilionário cuja a construção em Três Lagoas – a 326 quilômetros de Campo Grande – foi interrompida em dezembro de 2014, por ilegalidades apontadas pela Operação Lava Jato.

Conforme o secretário de Meio Ambiente, DesenvolvimentoEconômico, Produção e Agricultura Familiar, Jaime Verruck, o acordo deve ser assinado hoje, em uma reunião entre representantes das empresas brasileira e russa. “Dentro do procedimento de negociação, é mais um passo fiundamental, é a asssinatura do protocolo de intenções das empresas. A nossa expetativa é de que até 30 de agosto seja feita a assinatura de  contrato”, explicou Verruck.

Na últimas semanas, representantes da estatal brasileira e da empresa russa estiveram reunidos com integrantes do governo do Estado, para definir os critérios de prorrogação dos incentivos fiscais concedidos à obra.

O acordo celebrado prevê que os incentivos fiscais concedidos à Petrobras sejam prorrogados por mais dois anos, tempo suficiente para a Acron, maior produtora de feritilizantes do mundo, concluir a obra. Conforme Verruck, o que interessa agora é que o cronograma de conclusão da negociação entre as duas empresas, e a retomada das obras, avança rapidamente. “O que ocorre nesta sexta-feira é um reunião técnica, entre as partes negociadoras, a partir daí começam os detalhes para assinatura do contrato. Uma das questões fundamentais era a questão do gás, eles fizeram uma negociação com os bolivianos que se comprometeram a fonercer a matéria-prima a partir de 2023”, disse.

A YPFB, empresa estatal de energia da Bolívia fechou acordo com a Acron para fornecer gás às unidades da empresa no Brasil, entre elas a fábrica de Três Lagoas, em Mato Grosso do Sul (UFN3) no início deste mês. A negociação prevê a venda de 2,3 milhões de metros cúbicos de gás natural por dia da empresa pública boliviana para o grupo russo por um período de 20 anos, válido a partir de 2023.

Conforme Verruck, além de se tornar fornecedora da Acron no Brasil, a YPFB também pretende ser sócia da empresa russa na UFN3 em Três Lagoas, com uma fatia de 12%  a 30% na fábrica.

Para Mato Grosso do Sul, o principal reflexo desse acordo é a retomada da fábrica de fertilizantes inacabada em Três Lagoas desde dezembro de 2014 e com 83% das obras já concluídas.

“A matéria-prima da UFN3 é gás, já que ela é uma separadora e são três produtos separados: ureia, amônia e CO2. Não existe UFN3 sem o gás natural. Do ponto de vista do fornecimento de longo prazo, é fundamental porque resolve o problema de matéria-prima. Mato Grosso do Sul ganha, porque são 2,2 milhões de metros cúbicos que passarão pelo gasoduto, gerando arrecadação em ICMS”, destacou o secretário estadual de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar, Jaime Verruck.

Ainda segundo o titular da Semagro, o acordo selado entre YPFB e Acron implica que a Bolívia terá de reduzir preço.  “Foi fechado o volume, o prazo, que é de 20 anos, e o valor, que não foi divulgado. A validade é a partir de 2023, portanto, é um prazo condizente com o que vem sendo tratado até agora pelos russos com o governo do Estado”, comentou.

Outra sinalização importante é que a empresa ingressou com pedido na Junta Comercial de Mato Grosso do Sul (Jucems), com a intenção de abrir escritório de representação em Campo Grande.

 

fonte: correiodoestado
Espalhe por ai:

Veja Também

Capital volta a ter bandeira vermelha e ocupação UTIs chega a 91%

Prosseguir elenca Campo Grande e 21 outros municípios do Estado em situação crítica da pandemia ...

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.