Home / Destaques / Polêmica, cloroquina é usada em MS sob indicação médica e com aval de paciente

Polêmica, cloroquina é usada em MS sob indicação médica e com aval de paciente

Longe de politização, pacientes já usam o medicamento em hospitais do Estado

Militares durante desinfecção ontem na tenda erguida em frente ao HR Rosa Pedrossian, referência para casos de covid-19. (Foto : Marcos Maluf)

Campo minado pela politização – com direito à anedota  presidencial de quem é de direita usa cloroquina e quem é de esquerda, tubaína – o medicamento é usado em Mato Grosso do Sul em pessoas com o novo coronavírus de acordo com a decisão da equipe médica e com autorização do pacientes.

Ontem, o Ministério da Saúde divulgou orientações para ampliar o acesso de pacientes com covid-19 ao tratamento medicamentoso precoce, ou seja, no primeiros dias de sintomas. No entanto, também informa que o acesso desses medicamentos só é possível por meio de prescrição médica.

Segundo o ministério, é de competência do médico, em concordância declarada por escrito pelo paciente, o uso do tratamento. No HR (Hospital Regional) Rosa Pedrossian, que é referência para a doença em Campo Grande, o medicamento, na versão hidroxicloroquina, está disponível e é receitado em geral a pacientes internados e com quadro de falta de ar.

“É importante monitorar a parte cardíaca, principalmente paciente que já traz comprometimento cardíaco. Eles são monitorados com eletrocardiograma. A gente ainda não tem tratamento específico para a covid, tudo é a título experimental. O mais importante é utilizar a droga em que esteja sendo observada vantagem clínica”, afirma o infectologista Rodrigo Nascimento Coelho, do Hospital Regional.

A utilização do medicamento segue um protocolo, que já define a dosagem para o paciente.

A infectologista Mariana Croda, da Faculdade de Medicina da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) e do comitê de operações de emergência do Estado, reforça a palavra final da equipe médica. “Cabe ao médico a tomada de decisão. O Ministério da Saúde deixa muito claro que não é obrigação. O médico pode prescrever dentro de critérios, que muitas vezes não são fáceis de ser preenchidos. Tem sido usado em pacientes internados, com grau de gravidade”, afirma.

A especialista aponta que a cloroquina, remédio conhecido pelo uso contra a malária, se projetou na contenção na multiplicação viral. “A forma  grave da doença aparece na fase imune, quando seu corpo está tomando reação à aquela ação viral”. A expectativa era de modular essa resposta do organismo, mas os ensaios clínicos com a cloroquina não deram segurança para ampliar a indicação do remédio. “Muito mais pressão popular do que evidência científica”, avalia Mariana Croda.

Ao longo da pandemia, que chegou em março a Mato Grosso do Sul, o Campo Grande News relatou casos de pacientes aos quais foram administrados a cloroquina e venceram a doença, como o primeiro paciente de Corumbá, e também caso de quem tomou o medicamento e veio a óbito, como uma mulher idosa em Paranaíba.

Repercussão – As secretarias de Saúde do Estado e de Campo Grande informam ter cloroquina em estoque, com uso definido por equipes médicas de acordo com protocolo.

“Temos em estoque e tem na Casa da Saúde. A utilização é da alçada e competência do médico. Mas não há evidência de que o uso da cloroquina melhore a sobrevida do paciente. Não há um estudo randomizado [científico] em nenhum lugar do mundo. Isso é para sair do foco principal, da política de isolamento e de financiamentos de leitos. Compra de equipamentos de Unidade de Terapia Intensiva é que nos interessa”, afirma o secretário estadual de Saúde, Geraldo Resende.

A orientação do Ministério da Saúde, divulgada ontem, é vista como perda de tempo pelo secretário de Saúde de Campo Grande, José Mauro Filho. “Se cria um contexto político, mas a prescrição é do médico, depende da indicação médica”, reforça.

De acordo com José Mauro, se houver necessidade será solicitado o medicamento para o Ministério da Saúde.

 

 

fonte: campograndenews

 

Espalhe por ai:

Veja Também

MS tem 406 pacientes internados com a covid e Saúde pede “medidas restritivas”

Durante live, titular da Secretaria Estadual de Saúde pediu a gestores municipais medidas como toque ...

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.