Home / Destaques / Preço do etanol sobe e combustível deixa de ser competitivo na Capital

Preço do etanol sobe e combustível deixa de ser competitivo na Capital

Litro da gasolina custa R$ 4,43, enquanto álcool é vendido a R$ 3,17

Em Campo Grande, o litro da gasolina chega a custar R$ 4,64, e o do etanol, R$ 3,39 – Foto: Álvaro Rezende

Pouco mais de um mês após o preço médio do etanol ficar atrativo ante o da gasolina, o biocombustível aumentou e já não é mais competitivo. Levantamento realizado pela reportagem do Correio do Estado constatou que o etanol é comercializado, em média, por R$ 3,17 em Campo Grande.

O litro do combustível foi do preço mínimo de R$ 3,05 ao máximo de R$ 3,39. O preço médio da gasolina ficou em R$ 4,43.

Considerando a pesquisa da reportagem, com a gasolina a R$ 4,43 e o etanol a R$ 3,17, a diferença entre os combustíveis chega a 71%, maior que o máximo indicado de 70%. O biocombustível tem uma queima maior, sendo consumido mais rapidamente.

Assim, com um litro de álcool, o motorista percorre uma quilometragem menor, se comparado à autonomia de um litro de gasolina. Por este motivo, o álcool precisa custar até 70% do valor da gasolina.

De acordo com o diretor do Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis Automotivos (Sinpetro-MS), Edson Lazarotto, em alguns locais ainda compensa a troca.

“O preço subiu porque estamos no início da entressafra e também pela maior produção de açúcar. Mesmo com esse aumento, ainda assim estamos no limite para utilizar o etanol”.

Ainda conforme levantamento da reportagem, apenas 15% dos postos, a maioria na região central de Campo Grande, comercializam etanol por menos de R$ 3,10.

Nestes locais, o preço ainda é competitivo.

No dia 18 de setembro, conforme noticiou o Correio do Estado, o etanol era comercializado ao preço médio de R$ 2,89 – variando de R$ 2,78 a R$ 3,24.

Enquanto o litro da gasolina variou entre o mínimo de R$ 4,33 e o máximo de R$ 4,56 – média de R$ 4,39. A diferença na ocasião era de 65%, ou seja, era vantajoso fazer a troca de um pelo outro.

LEGISLAÇÃO

A intenção de tornar o biocombustível mais competitivo no Estado foi manifestada pelos gestores de MS desde o ano passado. Em 2019, a administração enviou à Assembleia projeto que previa alteração na alíquota dos combustíveis.

Em fevereiro deste ano, passou a valer a mudança no Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), reduzindo de 25% para 20% a alíquota do etanol, enquanto a da gasolina aumentou de 25% para 30%.

A justificativa da gestão estadual para a mudança foi o incentivo ao consumo do biocombustível. Sete meses após a alteração, o preço do álcool passou a compensar em Campo Grande, mas a mudança durou pouco mais de um mês.

Segundo o Sinpetro-MS, no início do mês vigente, os postos de combustíveis da Capital registraram aumento de 30% nas vendas do biocombustível.

GASOLINA

Levantamento da reportagem aponta que, na sexta-feira (23), em Campo Grande, a gasolina foi comercializada com preços entre R$ 4,45 e R$ 4,64.

Em Mato Grosso do Sul, o combustível registra o maior preço do Centro-Oeste pelo sétimo mês consecutivo.

De acordo com o Índice de Preços Ticket Log (IPTL), o menor valor da região Centro- Oeste foi encontrado em Mato Grosso (R$ 4,60), na sequência Goiás (R$ 4,64) e Distrito Federal (R$ 4,68). O litro mais caro foi encontrado em Mato Grosso do Sul (R$ 4,74).

No Estado, a gasolina vem mantendo cenário de alta desde o fechamento de setembro. Com valor médio de R$ 4,74 em MS, a gasolina registra alta de 0,6% em comparação ao mês passado.

A pesquisa aponta que entre maio e outubro o combustível subiu R$ 0,58 em Mato Grosso do Sul. No quinto mês deste ano, o litro da gasolina era comercializado a R$ 4,16; já em outubro o preço médio foi a R$ 4,74.

Apesar de ter deixado de ser atrativo na Capital, o etanol continua competitivo na média estadual.

“O etanol, apresentou o valor médio de R$ 3,34 no Estado e é o mais indicado. O combustível segue sendo o mais vantajoso para o bolso do consumidor na relação 70/30, que compara os preços da gasolina e do etanol”, pontua Douglas Pina, diretor de Mercado da Edenred Brasil.

NACIONAL

Ainda conforme a pesquisa da Ticket Log, na comparação entre os entes federados, a gasolina mais cara do País é vendida no Acre, onde o litro custa R$ 5,07, seguido pelo Rio de Janeiro, onde o combustível é comercializado a R$ 4,91, Tocantins, onde o litro custa R$ 4,81, Rio Grande do Norte, R$ 4,76, e em quinto lugar aparece o combustível vendido em Mato Grosso do Sul, R$ 4,74.

Já a gasolina mais barata do Brasil é comercializada no Amapá, onde o litro é comercializado a R$ 4. Em São Paulo, o combustível é vendido a R$ 4,21, o Paraná vem na sequência, R$ 4,25, depois Roraima, onde o preço médio chega a R$ 4,27, e o quinto menor valor foi aferido em Santa Catarina, R$ 4,28.

O etanol mais barato é encontrado em São Paulo, onde o litro custa R$ 2,72, seguido de Mato Grosso, R$ 2,89, Goiás, onde o litro do álcool é vendido a R$ 2,98, Paraná, R$ 3,04, Minas Gerais, R$ 3,07, e Paraíba, quinto menor preço, R$ 3,19.

O etanol mais caro é comercializado no Rio Grande do Sul, o preço médio do litro é de R$ 4,13. O segundo estado onde o preço do biocombustível está mais elevado é no Pará, R$ 4, na sequência vem o Acre, onde o álcool é vendido a R$ 3,98, no Rio de Janeiro custa R$ 3,84, e no Rio Grande do Norte é vendido a R$ 3,79.

DIESEL

Conforme a pesquisa da reportagem, em Campo Grande, o diesel comum é comercializado, em média, a R$ 3,51 – indo de R$ 3,39 a R$ 3,56. No dia 7 de outubro, de acordo com a pesquisa, o combustível era vendido a R$ 3,53.

Já o diesel S-10 foi de R$ 3,39 a R$ 3,64 no fim da semana passada, média de R$ 3,54 por litro. No início do mês, a média de preço na Capital era de R$ 3,53.

NOVA GASOLINA

De acordo com informações do Sinpetro-MS, todos os postos de combustíveis de Campo Grande já receberam a chamada “nova gasolina”.

“Desde o fim do mês passado, todos estão comercializando a nova gasolina”, disse o diretor do sindicato, Edson Lazarotto.

 

fonte: correiodoestado

 

Espalhe por ai:

Veja Também

MS tem 406 pacientes internados com a covid e Saúde pede “medidas restritivas”

Durante live, titular da Secretaria Estadual de Saúde pediu a gestores municipais medidas como toque ...

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.