Home / Destaques / Presidente de consórcio defende que futuro do ônibus é tarifa zero para todos

Presidente de consórcio defende que futuro do ônibus é tarifa zero para todos

“Passei a me interessar para uma realidade que é a tarifa zero do transporte. Por que não pensar nisso?”, questiona João Rezende

No modelo atual, passageiros pagantes custeiam as gratuidades no transporte urbano. (Foto: Henrique Kawaminami)

O futuro do transporte urbano, setor que nesta pandemia do novo coronavírus já guarda a certeza de que nunca mais será igual, passa pela gratuidade para todos os passageiros. A análise é do presidente do Consórcio Guaicurus, João Rezende, um defensor da tarifa zero nos ônibus.

“Passei a me interessar para uma realidade que é a tarifa zero do transporte. Por que não pensar nisso? O SUS [Sistema Único de Saúde] não é de graça para todo mundo. A segurança não é de graça. A educação não é de graça”, questiona.

Neste modelo, as passagens poderiam ser custeadas por um fundo, a exemplo do que acontece em áreas como Saúde e Educação. Na Constituição Federal, transporte também é um direito social. No modelo vigente em Campo Grande, que tem tarifa a R$ 4,10, o serviço é custeado pelos passageiros pagantes.

“Uma diarista que mora na periferia e vai fazer diária na casa de um cidadão que tem um filho que usa o ônibus gratuitamente. Ela está custeando o transporte de um abastado que paga R$ 3 mil, R$ 4 mil com mensalidade de universidade particular. Estão custeando a gratuidade do idoso, do estudante. Pode ser legal, mas para mim é imoral, injusto”, diz.

Na versão tarifa zero, as empresas de transporte são contratadas por municípios e governos e recebem de acordo com a quilometragem rodada, atrelado ao número de veículos e a quantidade de viagens.

“Claro que vai ser preciso melhorar, sobremaneira, o serviço no aspecto estruturante, como os corredores. As pessoas hoje abrem mão da própria segurança circulando de motocicleta, uma verdadeira indústria de mutilados e de óbitos. Muitos saíram do transporte pelo preço da tarifa. Para ele que paga é muito. Para o sistema que recebe é pouco”, diz o presidente do consórcio.

De acordo com Rezende, a cidade de Rondonópolis (Mato Grosso) tem um sistema em que a prefeitura paga a empresa por quilometragem. Mas o passageiro ainda segue pagando a passagem.

“Mas já é alguma coisa. Fui a Rondonópolis no ano passado. A empresa não tinha mais interesse no contrato. A prefeitura fez cinco licitações, todas desertas. O Ministério Público apontou que o serviço é essencial. Foi feito contrato emergencial e a empresa cumpre as ordens de serviço”, afirma Rezende, que também preside a Federação das Empresas de Transporte Rodoviário de Passageiros de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Rondônia.

Funciona – No Brasil, há tarifa zero em 14 cidades, as mais recentes na região metropolitana de São Paulo.

Vargem Grande Paulista implantou o sistema em novembro do ano passado. A população que pagava R$ 3,70 para andar de ônibus agora utilizar transporte público gratuito.

Para conseguir a isenção, foi criado por lá o Fundo Municipal de Transporte e Trânsito Urbano, capitalizado com valores de multas de trânsito, taxa de transporte público de passageiros para por empresas privadas e publicidade paga por utilização de espaço em pontos de ônibus.

Nos primeiros 60 dias o valor foi integralmente pago pela Prefeitura, até o Fundo se capitalizar. Depois as empresas passaram a pagar taxa, em janeiro de 2020.

Campo Grande tem 550 ônibus, sendo 50 na frota reserva. Com a pandemia, mantém 330 veículos em circulação por dia, mas com apenas 62 mil passageiros. Antes da chegada do novo coronavírus, a média diária era de 217 mil pessoas nos ônibus.

“É certo, nós não vamos mais ser do tamanho que fomos, isso é fato. Com desemprego home office, com certeza nossa clientela vai diminuir. Há quem diga que deve voltar, a médio prazo, no máximo 80% do que era”, afirma João Rezende.

 

fonte: campograndenews
Espalhe por ai:

Veja Também

Comércio ficará aberto até mais tarde a partir do dia 5 de dezembro

Horário será ampliado devido ao período de fim de ano, que costuma ser de maior ...

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.