Home / Destaques / Procon quer colaborar com investigação sobre formação de cartel dos combustíveis

Procon quer colaborar com investigação sobre formação de cartel dos combustíveis

Ministério Público abriu inquérito para apurar a possível combinação de preços pelas distribuidoras
Procon quer fornecer notas fiscais de compra de combustíveis dos postos junto às distribuidoras – Divulgação

 

 

A Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor (Procon-MS) quer colaborar com investigação do Ministério Público Federal de Mato Grosso do Sul que apura suposta formação de cartel pelas distribuidoras de combustíveis.

De acordo com o Procon, a entidade não pode investigar por conta própria, mas pode auxiliar com fornecimento de documentos.

“Quando é da distribuidora para os postos, juridicamente, não temos autonomia, porque não está fazendo revenda para o consumidor final. Temos espaço jurídico entre postos e consumidor final”.

“O Procon fica extremamente feliz com a investida do Ministério Público, vamos disponibilizar para o promotor todas as provas. Vou informar ainda ao promotor, mas temos notas fiscais de compra de gasolina, etanol e diesel dos postos de combustíveis junto às distribuidoras”, informou o titular do Procon-MS, Marcelo Salomão.

Salomão ainda reforça que a superintendência tem atuado no que diz respeito à relação de consumo.

Na semana passada, o Procon notificou o Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis, Lubrificantes e Lojas de Conveniências de Mato Grosso do Sul (Sinpetro-MS) para explicar o aumento nos preços do etanol.

“Nós podemos adentrar na relação de consumo quando afeta diretamente o consumidor, por isso pegamos tanto no pé dos postos de gasolina”, ressaltou o superintendente.

Sobre as investigações, o Sinpetro-MS também disse estar à disposição da Justiça.

“Esse é um procedimento normal do MPF: se solicitarem informações ao nosso segmento, também informaremos”, afirmou o diretor do sindicato, Edson Lazarotto.

PROCEDIMENTO

A conversão do procedimento preparatório, que já estava em andamento na Procuradoria da República no Estado de Mato Grosso do Sul, foi confirmada no dia 4 de fevereiro.

O procedimento teve origem em solicitações feitas pela Assembleia Legislativa, a pedido do deputado Cabo Almi (PT) e também em ofício assinado pelo presidente da Casa de Leis, deputado estadual Paulo Corrêa (PSDB).

Em ofício, os deputados apresentaram o seguinte argumento: “Possível combinação de preços (crime contra a ordem econômica) das distribuidoras de combustíveis e possível aplicação incorreta do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre o valor do combustível comercializado (pauta fiscal), causando prejuízos a toda coletividade dos consumidores sul-mato-grossenses”.

O MPF já solicitou informações à Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), para que envie as planilhas com os preços praticados pelos postos e distribuidoras de combustíveis que atuam no Estado.

Como a representação foi feita em 2020, época em que havia redução do preço dos combustíveis nas refinarias, o objetivo da investigação é o seguinte: “Verificar a notícia de eventual existência de indícios de suposta combinação de preços das distribuidoras de combustíveis no Estado de Mato Grosso do Sul, no período de 2019/2020, ao supostamente não repassarem redução nos preços de combustíveis praticados nas refinarias”.

O Correio do Estado apurou que a investigação poderá identificar a prática de combinação de preços na alta ou na baixa dos valores praticados pelas refinarias.

O inquérito é conduzido pelo procurador da República Pedro Paulo Grubits Gonçalves de Oliveira.

 

 

fonte: correiodoestado
Espalhe por ai:

Veja Também

Conta de luz ficará até 8,9% mais cara em Mato Grosso do Sul, decide Aneel

O aumento será de 7,28% para residências e de 10,69% para empresas de 74 cidades ...

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.