Projeto que prevê recursos de R$ 162 milhões a Mato Grosso do Sul pode ser votado hoje

Caso a proposta seja aprovada, recurso deverá ser repassado para o governo do Estado até o fim do ano

– Arquivo

 

 

Está nas mãos do  Congresso Nacional a aprovação de projetos, ainda  nesta semana, que garantem o repasse até 31 de dezembro, nos próximos 15 dias, de R$ 162 milhões ao Governo do Estado e prefeituras sul-mato-grossenses referentes ao acordo  entre a União e os estados para compensar perdas com a desoneração do ICMS nas exportações durante 24 anos, prevista na Lei Kandir.  Ao todo serão R$ 4 bilhões para todo o Brasil esse ano. Sem essas votações, previstas para hoje e quarta-feira,  o Governo federal não poderá cumprir esta primeira etapa do acordo, que prevê R$ 2,252 bilhões para o Estado até 2037.

Essas votações complementam a Lei 14.085/2020, sancionada no mês passado pelo Governo federal, que vai permitir ainda este ano o repasse.  A lei, que  alterou o Orçamento da União deste ano,  permitiu que o Governo Federal seja dispensado da apresentação de medidas compensatórias, como aumento de impostos, em razão da transferência..

Os procedimentos nos poderes executivo e legislativo fazem parte do acordo homologado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em 20 de maio para encerrar ações judiciais que apontavam omissão legislativa, que prevê regras para a União compensar os entes federados das perdas com a desoneração de ICMS nas exportações concedidas na Lei Kandir.

No acordo, estados e municípios receberão R$ 58 bilhões parcelados até 2037, sendo que deste ano até 2030 serão R$ 4 bilhões ao ano. A partir de 2031, será feita uma redução de R$ 500 milhões por ano até zerar o repasse. Ao todo serão R$ 65,6 bilhões. É que além dos R$ 58 bilhões, outros R$ 4 bilhões ficam condicionados à realização do leilão de petróleo dos blocos de Atapu e Sépia, na Bacia de Santos (SP), que estava previsto para esse ano mas deve ocorrer só em 2021, e mais R$ 3,6 bilhões serão repassados caso a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do Pacto Federativo  (PEC 188/19) seja aprovada.

Hoje, a Câmara deve votar a homologação desse acordo, contido no Projeto de  Lei Complementar  (PLP) 133/20. O  texto foi aprovado pelo Senado Federal no mês passado e depois de apreciado na Câmara segue para sanção. O PLP estipula que as parcelas de cada estado e municípios vão ser elaboradas usando dois critérios.

Metade dos R$ 4 bilhões serão divididos  com base em coeficientes individuais de estados e municípios aprovados pelo Conselho Nacional de Política  Fazendária (Confaz), que é formado por secretários de todos os estados. Em 2018, este índice  para Mato Grosso do Sul foi de  5,63386%. O restante, os outros R$ 2 bilhões, serão divididos de acordo com tabela anexada ao projeto que define que Mato Grosso do Sul vai ter direito a 1,23465% do valor.

Por essa metodologia, o  Estado vai receber este ano  R$ 162 milhões, sendo que o Governo do Estado ficará com 75% (o que corresponde a R$ 121,5 milhões), e as 79 prefeituras sul-mato-grossenses ficarão com os 25% restantes (R$ 40,5 milhões). Por estar em dezembro, o repasse será feito uma única vez, só que a partir do ano que vem o repasse será mensal.

O outro texto que precisa ser aprovado ainda esta semana é o Projeto de Lei do Congresso (PLN) 41/20, que foi modificado às pressas na última quinta-feira pelo governo federal para incluir os R$ 4 bilhões necessário para que o acordo entre a União e os estados seja  cumprido.

Originalmente, entre outros pontos, este PLN remanejava R$ 93 milhões para categorias de gasto em oito ministérios não previstos anteriormente no Orçamento. Essa alteração continua na proposta e, para isso, haverá cancelamento de emendas parlamentares de bancada estadual. Sem a aprovação deste PLN, mesmo que a Câmara aprove o PLP 133/20, o Governo ficará impedido legalmente de fazer o repasse.

 

 

fonte: correiodoestado
Espalhe por ai:

Veja Também

Governo amplia vagas e destina R$ 3,8 milhões para atletas e técnicos de MS

Número de vagas aumentou 45%, de acordo com publicação no Diário Oficial desta quinta-feira   ...

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.