Saúde alerta para baixa vacinação contra sarampo

Não há anúncios para exibir aqui.

Em todo o estado, já foram confirmados dois casos da doença

Menos de 60% das crianças de até 1 ano foram vacinadas – Foto: Valdenir Rezende/Arquivo/Correio do Estado

 

Com um caso confirmado de sarampo, a Secretaria Municipal de Saúde (Sesau) de Campo Grande fez um alerta nesta segunda-feira (21) sobre a baixa imunização. Até a última quinta-feira (17), menos de 60% do público-alvo, que são crianças de até 1 ano de idade, recebeu a chamada dose zero.

Durante o período da campanha, até a última sexta-feira, 588 crianças entre seis e doze meses de idade tinham sido imunizadas. Antes desse prazo foram 3.475 doses aplicadas nesse público. A vacinação continua em todas as Unidades Básicas de Saúde (UBSs) e da Família (UBSFs), e nos finais de semana, nos Centros Regionais de Saúde (CRSs).

No último sábado (19), a campanha nacional de vacinação contra o sarampo entrou no “Dia D”, mobilizando mais de 400 servidores nas 65 salas de vacinas em Campo Grande. Porém, a tempestade que atingiu a Capital forçou o fechamento de oito postos de saúde. Segundo a Sesau, todas já estão atendendo, sendo que duas delas ainda tem equipes trabalhando nos reparos. Não há prazo para a conclusão dos trabalhos.

ESTADO

Contando o registro de Campo Grande, a Secretaria de Estado de Saúde (SES) confirmou também outro caso em Três Lagoas, cidade no leste de Mato Grosso do Sul. Já foram feitas 81 notificações, 31 casos foram descartados e 48 continuam sob suspeita.

O último caso de sarampo registrado em Mato Grosso do Sul foi em 2011. Em 2015, o Brasil havia registrado o último caso da doença, no Ceará. Devido a isso, o país chegou a ganhar, em 2016, o certificado de eliminação do sarampo. Mas em fevereiro de 2018 começaram os casos importados da doença, registrados na Venezuela e que chegaram a Roraima. Em 2018 o estado de Mato Grosso do Sul teve 54 casos suspeitos de sarampo e todos foram descartados.

PREOCUPAÇÃO

Na última sexta-feira (18), o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM), comparou a vacinação contra o sarampo contra a imunização contra febre aftosa, doença que atinge bovinos, com a queda da vacinação. “É uma dicotomia porque no tempo que nós estamos nos tornando área livre de aftosa, nós estamos voltando doenças como sarampo. Quer dizer, a gente vacinou mais gado do que gente”, afirmou.

Mandetta também fez um alerta de atenção à saúde básica, para evitar o surto de outras doenças. “É preciso sim, todas as unidades; toda a cidade; todas as pessoas têm responsabilidade de olhar e rever a política de atenção primária”, enfatizou o ministro.

“Houve um abandono por parte de todo o brasil das políticas de atenção básica […] Nós temos toda a questão da queda do índice de vacinação, que ele por si só fala do descaso com a atenção primária. Não tem nenhum ato de prevenção mais simbólico do que vacinar”, finalizou.

 

fonte: correiodoestado

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.