Seca coloca MS em alerta e governo decreta estado de emergência por 180 dias

Assinatura de contrato de emergência pelo governador (Paulo Francis)

 

A soma do período de estiagem e falta e previsão de chuva para os próximos 10 dias fez com que o governador do Estado, Reinaldo Azambuja (PSDB), decretasse estado de emergência em Mato Grosso do Sul pelos próximos 180 dias. O recém criado Centro Integrado de Comando e Controle deve monitorar em tempo integral todo o estado, a fim de evitar incêndio de grandes proporções ocasionados principalmente em períodos de seca extrema como o que ocorre agora n Centro-Oeste.

Ao todo foram investidos R$ 78 milhões e outros R$ 38 milhões podem ser investidos nos próximos dias a depender da situação de seca no estado. A verba já aplicada foi usada para compra de equipamentos capazes de combater incêndios de alto risco como viaturas ATBF (Auto Bomba Tanque Florestal) e até um avião específico para combate a chamas.

Azambuja explicou que, além dos dias já sem chuva, mais 10 virão pela frente, por isso a medida foi tomada em regime de urgência. Dos 79 municípios, todos já estão em alerta, sendo que Pedro Gomes tem a situação mais alarmante. Além disso, a situação do Pantanal, que ainda se recupera dos incêndios ocorridos em 2020 que queimaram 30% do bioma, reforçou a preocupação do governo.

“O Pantanal vive uma grande seca nos últimos dois anos e meio, que deve avolumar conforme o que acabou de ser apresentado. Através do satélite teremos acesso aos focos de calor e de incêndio, isso vai nos ajudar a identificar quem é o proprietário da região”, explicou. Desta forma, o contato será feito e as medidas necessárias tomadas com mais agilidade.

Além disso, segundo o governador, ficará mais fácil evitar incêndios criminosos, como os que ocorreram ano passado e ainda estão sob investigação. O secretário de Meio Ambiente e Desenvolvimento, Jaime Verruck, explicou, ainda, que até abril as queimadas estavam controladas.

“Mas agora vimos a necessidade de monitorar 24 horas por dia. A Polícia Militar Ambiental e a Defesa Civil vão ajudar neste monitoramento. Temos um painel que aponta os focos de calor, incêndios, queimadas”, explicou. O CRAS (Centro de Recuperação de Animais Silvestres) também faz parte da força-tarefa e vai atuar caso sejam encontrados animais feridos. “A situação está preocupante, por isso estamos aqui, pra fazer a prevenção e combate adequados”.

Equação

O meteorologista do Centro de Monitoramento do Tempo e Clima de Mato Grosso do Sul, Vinícius Sperling, ilustrou uma equação usada para medir a gravidade da situação. Segundo ele, a regra dos 30, 30, 30 é certeira. “Se estivermos acima dos 30 graus de temperatura, umidade do ar abaixo dos 30% e ventos acima dos 30 quilômetros por hora e há muitos dias sem chuva, então é a combinação pronta para incêndio”.

O decreto, assinado em regime de urgência, portanto sem necessidade de licitar gastos, vale pelos próximos 180 dias e passa a vigorar a partir desta sexta-feira (22). De acordo com o governador foi solicitado apoio da Marinha e a Aeronáutica, já que o Pantanal tem regiões de difícil acesso.

Na estação de monitoramento vão atuar 25 profissionais em regime de plantão. Estão escalados 100 brigadistas para trabalhar em agosto conforme for surgindo demanda e outros 200 em setembro. A contratação de mais mão de obra pode ser feita também sem processo licitatório, por ser tratar de medida de urgência. –

 

 

fonte: campograndenews
Espalhe por ai:

Veja Também

Conab estima produção de 49 mil toneladas de pluma de algodão em MS nesta safra

O número cresce a cada ano, mas ainda está longe de atingir o nível dos ...

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.