Home / Destaques / Soltura de mosquitos Aedes eagypti com a bactéria Wolbachia ocorrerá este mês em Campo Grande

Soltura de mosquitos Aedes eagypti com a bactéria Wolbachia ocorrerá este mês em Campo Grande

A capital é uma das cidades do país que recebe a implantação do projeto de combate a doenças transmitidas por mosquitos

Com o tempo a porcentagem de mosquitos que carregam a Wolbachia se torna maior do que os que não possuem a bactéria. – Divulgação  

Paralisadas desde o início do ano, por causa da pandemia de Covid-19, a soltura dos mosquitos com a bacteria Wolbachia, que inibe a transmissão do vírus da dengue nos mosquitos Aedes argypti, será retomada nesta semana em Campo Grande.

Prevista para acontecer no segundo semestre do ano, o projeto teve que atrasar suas atividades para este mês. As duas etapas contarão com oito mil recipientes com mosquitos liberados toda semana.

A liberação dos mosquitos acontecerá durante quatro meses, em bairros específicos da capital. A primeira etapa ocorrerá nos bairros Guanandi, Aero Rancho, Batistão, Centenário, Cophavila II, Tijuca e Lageado.

A segunda etapa ocorrerá nos bairros Centro Oeste, Vila Jacy, Jockey Clube, Moreninhas, Pioneiros, Parati, Alves Pereira, Piratininga, Taquarussu, Jardim América e Los Angeles.

Em nota o coordenador do projeto, Gabriel Sylvestre, explica “começamos de forma mais intensa agora o engajamento da população. É importante que todos saibam o que estamos fazendo e aprovem a soltura dos mosquitos com wolbachia, a partir daí se inicia a liberação dele”, pontuou o coordenador.

A ação é realizada a partir da introdução de uma bactéria comum em 60% das espécies de insetos, no mosquito do Aedes aegypti, esse procedimento impede que o vírus de doenças no organismo do mesmo se desenvolvam. Com isso, se torna possível combater doenças como a chykungunya, dengue e zika causadas pelo mosquito.

A iniciativa conta com o apoio da população, que recebe orientações sobre a solta dos mosquitos.

Como funciona o método Wolbachia 

Os pesquisadores colocam no mosquito do Aedes aegypti a bactéria intracelular Wolbachia, que bloqueia o desenvolvimento de vírus de doenças que assolam o cotidiano da população, como é o caso da dengue.

Uma vez que a bactéria wolbachia é introduzida no mosquito Aedes aegypti toda reprodução de tais mosquitos com outros locais geraram uma nova população de mosquitos, que não terão capacidade de contaminação.

A fundação Oswaldo Cruz foi quem implementou a iniciativa no Brasil, em parceria com governos locais e financiamento do Ministério da Saúde.

Atualmente Campo Grande (MS), Petrolina (PE) e Belo Horizonte (MG) são as cidades que se encontram em processo de implantação do WMP.

 

fonte: correiodoestado
Espalhe por ai:

Veja Também

Enfermeiros fazem greve por falta até de agulha em postos de saúde

Profissionais também cobram pagamento de incentivo repassado pelo Ministério da Saúde     Profissionais de ...

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.