Home / Destaques / Um ano após obras no Parque das Nações Indígenas, assoreamento retorna a lago

Um ano após obras no Parque das Nações Indígenas, assoreamento retorna a lago

Mesmo com revitalização no Parque das Nações Indígenas, erosão na nascente do rio Joaquim Português causou novamente o aumento de sedimentos no lago menor

Assoreamento no lago menor do Parque das Nações Indígenas é resultado de erosão em Rio da Capital – Álvaro Rezende

 

 

Após um ano e cinco meses do início das obras para o desassoreamento do lago menor do Parque das Nações Indígenas, os bancos de areia retornaram ao local.

De acordo com o gerente de unidade de conservação do Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul), Leonardo Palma, o problema tem voltado ao local com mais frequência. “Esses lagos são de contenção e retenção, então a gente espera que com o tempo tenha essa areia, mas agora está muito rápido, depois de pronto, de tempos em tempos tem que fazer essa limpeza”, afirma.

No entanto, de acordo com o superintendente de Serviços da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos (Sisep) e responsável pela obra de desassoreamento do município, Mehdi Talayeh, o retorno desses sedimentos pode ser devido a demora para o início das obras do Governo do Estado no local, realizadas em 2019.

“A parte do município que foi o desassoreamento, já terminamos. Ficou para o estado fazer as recuperações dos gabiões e a revitalização. Após nosso desassoreamento demoraram um pouco pra iniciar as obras. Nesse meio tempo entendo eu, que desceu mais areia”, explica.

Segundo Palma, o lago menor recebe sedimentos tanto do Córrego Prosa quanto do Córrego Reveillon, cujo encontro acontece no local. Os sedimentos do primeiro são resultado de uma erosão que atinge a cabeceira do rio Joaquim Português, que junto ao córrego Desbarrancado, formam o Prosa.

Palma ressalta ainda que os lagos do Parque foram feitos justamente para a retenção desses sedimentos, a fim de evitar enchentes e alagamentos na região. “Eles são para isso, para evitar enchente e outros problemas. Por isso não tem uso de pedalinho e esse tipo de atividades no lago”, frisa.

Obras na nascente

De acordo com Palma, o governo estadual assinou licitação para obra de pavimentação, drenagem, recuperação e controle da erosão na nascente do córrego Joaquim Portugues, localizado na Parque do Prosa. A intervenção vai ter um custo aos cofres públicos de R$ 4.765.224 milhões.

Segundo o gerente, as obras devem iniciar após o período de chuva e com prazo de até seis meses para conclusão. “Agora temos que esperar essa época de chuva. No final dessa, vamos fazer essa obra no [lago] menor de novo. Não seria prudente fazer neste período de chuva, porque seria até um dinheiro jogado fora. Se eles assinarem agora, vão ampliar o prazo”, explica.

Palma pontua que para limpar o lago de contenção do parque é preciso primeiro finalizar as obras na nascentes. “Como esse lago é justamente para receber essa areia, se não resolvermos o problema da erosão primeiro, a areia vai retornar em pouco tempo após a limpeza”, frisa.

Desassoreamento

Em junho de 2019, foram iniciadas obras para impedir que sedimentos continuem sendo carregados ao local e ações de desassoreamento nos dois lagos.

As intervenções foram realizadas pelo Governo do Estado, em parceria com a Prefeitura de Campo Grande. No projeto estavam previstas a construção de um piscinão no córrego Reveillon, as obras de controle de erosão e a recomposição vegetal das margens do córrego Joaquim Português, além da implantação de uma comporta de regulação do nível do lago.

A primeira obra realizada no Parque foi a retirada de 135 mil metros cúbicos de areia do lago maior, feitas em 12.500 viagens de caminhão para o local de descarte, no Centro de Triagem e Encaminhamento do Migrante e População de Rua (Cetremi), no Parque dos Poderes. No lago menor, onde já é possível ver os bancos de areia novamente, foram retirados 15.474 metros cúbicos de sedimentos.

Em 2019, o lago maior foi esvaziado para a manutenção do local, como a construção de decks e a reforma dos gabiões, estrutura responsável pela drenagem da areia. No período, o governo anunciou que seria necessário esvaziar novamente. Palma detalha que o lago foi enchido de novo no dia 26 de outubro, com o fim das obras nos gabiões que estavam com infiltração.

O gerente afirma que para finalizar todas as obras feitas no Parque das Nações Indígenas faltam a plantação de gramas que faltam no local e concluir um reforçamento da ponte, que deve ser concluído até o início do próximo ano.

 

fonte: correiodoestado
Espalhe por ai:

Veja Também

MS tem 406 pacientes internados com a covid e Saúde pede “medidas restritivas”

Durante live, titular da Secretaria Estadual de Saúde pediu a gestores municipais medidas como toque ...

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.